Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

'Ligação com nazismo deixa esquerda apavorada', diz Ernesto Araújo

Em blog, ministro reafirmou que nazismo pode ser um movimento de esquerda

Brasília | DW

Em artigo publicado em seu blog pessoal, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou neste sábado (30) que a esquerda fica "apavorada" com o debate que a associa ao nazismo. 

O chanceler reafirmou no texto sua posição de que é possível dizer que o nazismo é um movimento de esquerda.

Em recente entrevista ao canal no YouTube Brasil Paralelo, que propaga a linha de pensamento do ideólogo Olavo de Carvalho, Araújo afirmou que "fascismo e nazismo são fenômenos de esquerda". Antes de assumir o cargo no governo de Jair Bolsonaro, Araújo já havia dado declaração neste sentido.

Na entrevista divulgada em 17 de março, o chanceler é questionado sobre a diferença entre o nacionalismo que defende e o pregado pelos regimes autoritários passados de Alemanha, Itália e Rússia. O ministro respondeu que o sentimento nacional teria sido distorcido por grupos que o utilizaram para chegar ao poder. 

"Uma coisa que eu falo muito é dessa tendência da esquerda de pegar uma coisa boa, sequestrar, perverter e transformar numa coisa ruim. É mais ou menos o que aconteceu com esses regimes totalitários. Isso tem a ver com o que eu digo, que fascismo e nazismo são fenômenos de esquerda.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, durante conferência no Itamaraty
O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, durante conferência no Itamaraty - Evaristo Sa/AFP

A entrevista causou polêmica e a reação de historiadores, que criticaram as palavras do ministro. A tese de que o nazismo era um movimento de esquerda é considerada absurda e desonesta por acadêmicos e diplomatas europeus.

A afirmação vai contra o amplo consenso acadêmico e político sobre o tema na Alemanha, onde a disputa sobre a classificação da ideologia nazista é inexistente entre historiadores renomados.

"Quando um ministro do Exterior faz esse tipo de afirmação, considero altamente problemático diplomaticamente e um absurdo cientificamente", afirma a historiadora Stefanie Schüler-Springorum, diretora do Centro para Pesquisa sobre Antissemitismo da Universidade Técnica de Berlim.

O historiador Wulf Kansteiner, da Universidade de Aarhus, deixa claro que os nazistas jamais seguiram políticas de esquerda. "Ao contrário, propagavam valores da extrema direita, um extremo nacionalismo, um extremo antissemitismo e um extremo racismo. Nenhum especialista sério considera hoje o nazismo de alguma forma um fenômeno de esquerda. Por isso, da perspectiva acadêmica histórica, essa declaração é uma asneira", afirma.

Araújo, porém, voltou a fazer a associação neste sábado. "A esquerda fica apavorada cada vez que ressurge o debate sobre a possibilidade de classificar o nazismo como movimento de esquerda", disse em seu blog.

"Dá a impressão de que existe aí um perigoso segredo de família, cuidadosamente guardado. Eu opinei que o nazismo é de esquerda, e imediatamente a esquerda (junto com o mainstream por ela dominado sem o saber) chegou correndo com seus extintores de incêndio, ou melhor, seus extintores de verdade, tentando apagar essa ideia", ressaltou.

Segundo o ministro, "o nazismo era anti-capitalista, anti-religioso, coletivista, contrário à liberdade individual, promovia a censura e o controle do pensamento pela propaganda e lavagem cerebral, era contrário às estruturas tradicionais da sociedade. Tudo isso o caracteriza como um movimento de esquerda".

"Portanto, o nazismo era anti-liberal e anti-conservador. A esquerda também é anti-liberal e anti-conservadora", escreveu.

De acordo com ele, "de maneira esquemática, podemos dizer que o nazismo constituiu um amálgama esquerdista-conservador, onde a ideologia revolucionária capturou e utilizou para seus fins um dos importantes elementos do campo conservador, o nacionalismo".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.