México quer que rei da Espanha e papa Francisco peçam desculpas pela colonização

Governo espanhol rejeitou com veemência o pedido do presidente López Obrador

O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, e o presidente mexicano, Andrés Manuel Lopéz Obrador, após entrevista durante visita do espanhol ao México
O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, e o presidente mexicano, Andrés Manuel Lopéz Obrador, após entrevista durante visita do espanhol ao México - Carlos Jasso/Reuters
Cidade do México

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, anunciou nesta segunda-feira (25) que enviou uma carta ao rei Felipe 6º da Espanha e ao papa Francisco pedindo que peçam perdão pelos danos cometidos contra povos indígenas durante a conquista espanhola da América.

"Enviei uma carta ao rei da Espanha e outra ao papa para que façam um relato de danos e peçam perdão aos povos originários pelas violações ao que agora se conhece como direitos humanos", anunciou López Obrador, em vídeo publicado em uma rede social.

O governo espanhol rejeitou "com toda firmeza" o pedido de López Obrador. 

"A chegada, há 500 anos, dos espanhóis às atuais terras mexicanas não pode ser julgada à luz de considerações contemporâneas", disse o comunicado do governo espanhol. 

Madri "lamenta profundamente" que o presidente mexicano tenha publicado uma carta com este pedido. 

"Nossos irmãos sempre souberam ler nosso passado compartilhado sem raiva e com uma perspectiva construtiva, como povos livres com uma herança comum e uma projeção extraordinária", acrescentou o governo da Espanha. 

A reação oficial de Madri enfatiza "sua disposição para trabalhar em conjunto com o governo do México e continuar construindo a estrutura apropriada para intensificar as relações de amizade e cooperação entre os dois países, o que nos permite enfrentar os desafios futuros com uma visão compartilhada".

O Vaticano ainda não se pronunciou sobre o caso.

O pedido do presidente mexicano ocorre no ano de aniversário de 500 anos da Batalha de Centla, considerada o primeiro confronto entre o conquistador espanhol Hernán Cortez e os povos nativos do México. 

"Houve massacres, arbitrariedades [...]. A chamada conquista se fez com a espada e com a cruz católica, foram construídas igrejas sobre os templos [pré-hispânicos]", afirmou López Obrador na transmissão. 

AFP

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.