Descrição de chapéu Governo Bolsonaro Venezuela

No Chile, Bolsonaro volta a negar apoio brasileiro a intervenção militar na Venezuela

Filho do presidente afirmou mais cedo que para tirar Maduro 'de alguma maneira vai ser necessário o uso da força'

Sylvia Colombo
Santiago

Jair Bolsonaro voltou a negar nesta sexta (22) o apoio do Brasil a uma intervenção militar na Venezuela. Em Santiago, no Chile, para a cúpula que marcou a criação do Prosul, novo bloco com oito países sul-americanos, o presidente disse que "tem gente divagando aí, da nossa parte não existe essa possibilidade de intervenção." 

"É difícil falar de Venezuela, porque eu digo que a ditadura da Venezuela se fortalece na fraqueza do Maduro", afirmou Bolsonaro. "Ele não decide seus atos. Uma parte dos 2.000 generais [estão] ao lado dele, alguns narcotraficantes, tem lá aproximadamente 60 mil cubanos, que decidem também pelo Maduro, temos as milícias, tem terroristas, esse pessoal faz com que Maduro fique de pé."

A possibilidade de uma intervenção estrangeira na Venezuela enfrenta resistência na ala militar do governo brasileiro, que é contrária a qualquer ação que extrapole a ajuda humanitária na fronteira.

O presidente Jair Bolsonaro, à esq., cumprimenta os presidentes Lenín Moreno, do Equador, ao centro, e Iván Duque, da Colômbia
O presidente Jair Bolsonaro, à esq., cumprimenta os presidentes Lenín Moreno, do Equador, ao centro, e Iván Duque, da Colômbia - Claudio Reyes/AFP

Durante o encontro entre Bolsonaro e Trump em Washington, na terça (19), o assunto Venezuela foi tratado. Após a reunião na Casa Branca, o brasileiro afirmou que vai vai atuar com "diplomacia até as últimas consequências" diante da crise no país vizinho, mas não negou enfaticamente a possibilidade de apoiar uma ação militar. 

A falta de uma negativa foi interpretada como um esforço para não desagradar o americano, mas também ligou o alerta de oficiais generais da ativa do Exército.

Em entrevista divulgada nesta sexta (22), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, disse que para tirar Maduro do poder “de alguma maneira vai ser necessário o uso da força. A declaração foi dada ao jornal chileno La Tercera. 

Mais tarde, Eduardo recuou. Disse que, ao se referir ao "uso da força" durante a entrevista ao jornal chileno, estava "comentando a mensagem de Trump, que diz que todas as cartas estão sobre a mesa". "Mas o Brasil não pensa nisso. O presidente e os generais que estão a cargo disso dizem que a intervenção militar não é uma opção."

Na entrevista após a cúpula do Prosul, Jair Bolsonaro também comentou o fato de Uruguai e Bolívia não terem assinado o acordo que lançou o bloco. "São países que estão um pouquinho ainda ligados aos presidentes anteriores, mas quem vai decidir o futuro desses países será o seu respectivo povo." 

O Prosul surge após esvaziamento da Unasul, bloco idealizado pelo venezuelano Hugo Chávez (1954-2013) e que foi sendo abandonado por vários países justamente por não estarem dispostos a dialogar com a Venezuela nas condições atuais. 

Bolsonaro afirmou que a Unasul "já está extinta". "Falta a prática, e a Prosul está aparecendo. Não podemos admitir que as políticas dos países daqui sejam movidas por ideologia. A Unasul começou bem, depois foi para um viés ideológico e começou a fazer parte de uma política de poder."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.