Descrição de chapéu Venezuela

Promotoria venezuelana investigará Guaidó sob suspeita de 'sabotagem elétrica'

Procurador-geral do país afirmou que líder opositor emitiu uma série de mensagens 'exaltando a violência'

Caracas | AFP

O Ministério Público venezuelano, ligado ao regime de Nicolás Maduro, abriu uma investigação contra o líder da oposição, Juan Guaidó, nesta terça-feira (12), acusando-o de estar envolvido em uma "sabotagem" do sistema elétrico que causou o apagão que paralisa o país nos últimos cinco dias

"Anuncio que uma investigação está sendo aberta (...) contra o cidadão Juan Guaidó por seu suposto envolvimento na sabotagem do sistema elétrico venezuelano", disse o procurador-geral, Tarek William Saab, à imprensa.

Saab, que se define como chavista, disse que o líder da oposição, reconhecido por mais de 50 países como presidente interino da Venezuela, emitiu uma série de mensagens "exaltando a violência" no meio desta "situação lamentável". 

O líder opositor Juan Guaidó na Assembleia Nacional, em Caracas
O líder opositor Juan Guaidó na Assembleia Nacional, em Caracas - Juan Barreto - 12.mar.19/AFP

"Neste momento, ele aparece como um dos autores intelectuais dessa sabotagem elétrica e desse chamado praticamente a uma guerra civil em meio a esse apagão", acrescentou. 

O procurador disse ainda que a investigação será adicionada a outra que foi aberta contra a oposição por "usurpação" das funções do presidente, quando Gaidó se declarou presidente interino, em 23 de janeiro, invocando a Constituição. 

"Isso não é casual, se soma a uma escalada de eventos violentos a partir da autoproclamação. A sabotagem elétrica é parte de uma escalada cada vez mais desesperada para derrubar um governo legitimamente constituído", disse Saab.

Ele também afirmou que Guaidó desrespeitou a proibição de deixar o país, ditada pelo mais alto tribunal de Justiça, quando entrou furtivamente na Colômbia para comandar uma operação fracassada de entrada de ajuda humanitária na Venezuela. 

Maduro atribuiu o apagão a um "ataque cibernético" contra a usina hidrelétrica de Guri (Bolívar, ao sul) pelos Estados Unidos e pela oposição, que, por sua vez, atribuiu a crise à "negligência e corrupção" do governo. 

A emergência, o pior corte de eletricidade que já afetou o país, mantém o serviço intermitente em vários setores, embora existam áreas do interior sem eletricidade desde a última quinta-feira.  

Primo de Maduro

O governo colombiano afirmou nesta terça ter impedido a entrada de um primo de Nicolás Maduro e sua família no país. Segundo a autoridade migratória, eles pretendiam fugir do apagão que castiga a Venezuela há cinco dias.

Argimiro Maduro, 53, e nove familiares tentaram chegar à Colômbia pela cidade de Riohacha. Agentes de migração bloquearam o ingresso porque Argimiro e sua família fazem parte de uma lista de 300 pessoas proibidas de entrar na Colômbia devido à proximidade com Maduro.

Segundo o órgão migratório, em um comunicado, os estrangeiros alegaram que queriam passar uns dias na Colômbia enquanto a crise energética era resolvida na Venezuela. 

"Não vamos permitir que, enquanto o povo da Venezuela morre nos hospitais por falta de energia, pessoas próximas ao regime de Maduro ingressem na Colômbia para passar férias", afirmou o chefe da migração da Colômbia, Christian Krüger.

Ainda que ambos os países compartilhem uma fronteira porosa de 2.200 quilômetros, Bogotá não tem nenhum vínculo diplomático com Maduro desde agosto de 2018. Duque se refere ao regime venezuelano como uma "ditadura".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.