Suspeito de ataque em Utrecht tinha 'ideologia radical', dizem promotores

Ataque pode ter influenciado eleições para o Senado; urnas mostram crescimento de partido populista

Amsterdã | Reuters

Promotores holandeses disseram nesta quinta-feira (21) que o suspeito do ataque a tiros que vitimou três pessoas em Utrecht no início da semana tinha "ideologia radical", mas que sua motivação ainda não está totalmente clara.

O atentado pode ter influenciado o resultado das eleições locais, que determinam a composição do Senado, na qual o partido populista Fórum para a Democracia foi o grande vencedor.

 
O líder do partido Fórum para a Democracia, Thierry Baudet - AFP

O suspeito de 37 anos, Gokmen Tanis, de origem turca, vai a julgamento na sexta (22) e também deve passar por exames psicológicos. Ele foi acusado de assassinato múltiplo e agiu sozinho, de acordo com os promotores.

A investigação está em andamento e não se sabe se Tanis foi motivado apenas por intenções terroristas ou se ele também tinha razões pessoais. Logo após o atentado, testemunhas disseram para a rede de TV NOS que o crime parecia vingança familiar.

Tanis foi preso pela polícia de Utrecht sete horas após ter supostamente disparado tiros dentro de um bonde elétrico na região sul da cidade, na manhã de segunda-feira (18). Três pessoas morreram e cinco ficaram feridas. Até o momento, não foram encontradas conexões pessoais entre o atirador e as vítimas. 

O atentado ocorreu dois dias antes das eleições locais no país, que determinam a composição do Senado. O resultado mostrou um crescimento exponencial do partido Fórum para a Democracia.

Liderado por Thierry Baudet, 36, a legenda vai passar de 2 para 13 assentos no Senado, um a mais que a coalizão de centro-direita do primeiro-ministro, Mark Rutte. Os eleitos tomam posse em maio.

Baudet continuou a fazer campanha após o atentado, ao passo em que os outros partidos suspenderam os comícios. Ele disse que o incidente foi resultado das políticas de imigração relaxadas do atual governo. 

Seguindo a liderança do presidente dos EUA, Donald Trump, Baudet se opõe à imigração e enfatiza a "Holanda primeiro". Ele defende a saída da Holanda d a União Europeia, no que está sendo chamado de Nexit (do inglês Netherlands).

Nas semanas anteriores ao pleito, analistas previam que o governo perderia a maioria do Senado. O pesquisador e empresário Maurice de Hond disse, no entanto, que o ataque impulsionou boa parte dos eleitores que se opõem à imigração.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.