Descrição de chapéu Governo Trump

EUA revogam visto de procuradora que quer investigar operações no Afeganistão

A gambiana Fatou Bensouda é membro do Tribunal Penal Internacional, órgão que julga crimes contra a humanidade

Haia | AFP

O governo dos Estados Unidos revogou o visto da procuradora-geral do Tribunal Penal Internacional (TPI), Fatou Bensouda, de nacionalidade gambiana, que pretende abrir uma investigação sobre operações de soldados americanos no Afeganistão. O TPI é responsável por julgar crimes contra a humanidade.

A procuradora-geral prosseguirá cumprindo seu trabalho "sem medo ou favorecimento", apesar da revogação do visto, afirma um comunicado divulgado pelo gabinete de Bensouda.

A procuradora do Tribunal Penal Internacional Fatou Bensouda, em Haia (Holanda) - Peter Dejong - 29.set.15/AFP

Bensouda anunciou em novembro de 2017 que pretendia iniciar uma investigação formal sobre os supostos crimes de guerra cometidos no Afeganistão, inclusive pelo Exército dos EUA.

Um porta-voz do Departamento de Estado, citado pelo jornal britânico The Guardian, disse que "os EUA irão adotar os passos necessários para proteger sua soberania e seu povo de investigações injustas e de processos judiciais pelo Tribunal Penal Internacional". 

O porta-voz acrescentou que vistos seriam negados a "membros do TPI que estão determinados a conduzir uma investigação formal dos EUA e de seus aliados sem o consentimento do país em questão". 

As relações entre Washington e o TPI sempre foram complicadas. Washington se negou a aderir ao tratado que estabelece o TPI, o Estatuto de Roma, que entrou em vigor em 2002 e foi ratificado por 123 países. 

Washington faz todo o possível para evitar que americanos sejam investigados pelo TPI. O governo de Donald Trump levou ao extremo a desconfiança na instituição.

Em setembro do ano passado,  o assessor de segurança nacional da Casa Branca, John Bolton, afirmou que juízes e procuradores do TPI que tentem investigar cidadãos americanos ou países aliados de Washington seriam impedidos de entrar nos EUA e poderiam até mesmo ser processados.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.