Ex-diretor da Odebrecht diz que subornou governadores do Peru, além de presidentes

Em depoimento, Jorge Barata confirmou propina de US$ 3 milhões para ex-mandatário de Cusco

Curitiba

O ex-diretor da Odebrecht no Peru, Jorge Barata, declarou nesta quinta-feira (25) a procuradores peruanos que a empresa brasileira subornou não só presidentes do país, mas também governadores, para obter contratos em obras públicas.

Barata "corroborou o pedido de um suborno de 3% do valor referencial da obra" (uma estrada) por parte do então governador de (2011-2013), Jorge Acurio, afirmou o procurador peruano Germán Juárez, no terceiro dia de depoimentos do ex-homem forte da construtora no Peru na sede da procuradoria federal em Curitiba.

O ex-diretor da Odebrecht no Peru, Jorge Barata,  deixa o hotel para prestar depoimento em Curitiba
O ex-diretor da Odebrecht no Peru, Jorge Barata, deixa o hotel para prestar depoimento em Curitiba - Heuler Andrey/AFP

"Foi o mais curto dos depoimentos, ele corroborou dados", resumiu Juárez.

Nos dias anteriores, Barata confirmou que a construtora deu dinheiro em 2006 para a campanha eleitoral do ex-presidente Alan García, que se suicidou na semana passada quando iria ser preso, e que depois pagou mais de US$ 4 milhões a seu secretário na Presidência, Luis Nava.

A procuradoria peruana suspeita que o destinatário final desse dinheiro era Alan García, versão que o ex-mandatário sempre negou.

Os novos depoimentos de Barata também citam o ex-presidente peruano Alejandro Toledo (2001-2006), que fugiu para os Estados Unidos, onde enfrenta uma solicitação de extradição para o Peru.

O suborno pago ao governador de Cusco chegou a US$ 3 milhões pelo contrato de US$ 100 milhões para construir a chamada "Vía de Evitamiento", segundo havia revelado a Odebrecht em 2018 à procuradoria peruana.

Desse montante, Acurio, que está detido por esse caso, recebeu US$ 1,5 milhão e o restante foi distribuído entre outros funcionários do governo regional, segundo a imprensa local.

A "Vía de Evitamiento", construída em 2012, é uma estrada periférica de 10 km de extensão que agora é popularmente chamada "via da morte" pelo mau estado em que se encontra.

Acurio era membro do Partido Nacionalista do ex-presidente Ollanta Humala (2011-2016), investigado por lavagem de dinheiro por receber US$ 3 milhões da Odebrecht para sua campanha, segundo Barata.

Humala, que esteve detido com sua esposa Nadine por nove meses, nega ter recebido esse dinheiro, .

Barata também confirmou nesta quinta existência de um cartel de empresas peruanas chamado o "clube da construção", que repartia licitações entre seus membros pagando subornos.

Os depoimentos de Barata formam parte de um acordo de cooperação com a procuradoria peruana, segundo o qual Lima não perseguirá o ex-diretor nos tribunais em troca de que ele delate autoridades peruanas corruptas.

AFP

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.