Foto de muçulmana sorrindo em frente a manifestantes anti-islâmicos viraliza

Protesto ocorreu em frente à conferência do Círculo Islâmico da América do Norte em Washington

São Paulo

Enquanto participava de uma convenção do Círculo Islâmico da América do Norte (ICNA) em Washington no último final de semana, a jovem muçulmana Shaymaa Ismaa’eel se deparou com um grupo de manifestantes que seguravam placas com dizeres anti-islâmicos e ofensas ao profeta Maomé.

Sua reação foi posar para uma foto em frente ao grupo sorrindo e fazendo o gesto de paz com os dedos, conforme relatou o jornal inglês The Guardian.

A imagem, publicada primeiro em sua conta no Instagram e depois no Twitter, viralizou, somando, até a última quarta (24), mais de 483 mil curtidas nas redes sociais e diversas respostas de apoio à jovem de 24 anos, que trabalha como terapeuta de crianças com autismo na região do Distrito de Columbia, segundo a rede americana CNN.

A fotografia foi tirada por uma amiga dela no domingo (21). Ismaa’eel disse à rede que os protestos já aconteciam no sábado, o segundo dos três dias de evento, chateando alguns dos participantes —que não sabiam como reagir.

A convenção anual da ICNA tem o objetivo de promover o islã nos Estados Unidos. 

No aplicativo de fotos, a imagem foi compartilhada pela terapeuta com a legenda “Gentileza é uma marca da fé. Aqueles que  não são gentis não têm fé”, frase atribuída ao profeta Maomé.

“Eu queria que eles [manifestantes] vissem o sorriso no meu rosto e como eu estava feliz por ser quem eu sou e por andar por aí sendo uma mulher muçulmana”, afirmou Ismaa’eel, de acordo com o Guardian.

“Queria mostrar para eles que nós vamos continuar sendo gentis e sem pedir desculpas, e vamos continuar a espalhar amor diante da intolerância.”

Os manifestantes gritavam que a jovem e seus amigos iriam para o inferno, segundo o jornal inglês.

“Gostaria que eles pudessem ter ouvido todo o amor que foi espalhado lá dentro em vez de ficarem protestando do lado de fora”, afirmou Ismaa’eel.
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.