Fotos de migrantes e de execução de muçulmanos ganham Pulitzer

Brasileiro Ueslei Marcelino é um dos vencedores do mais importante prêmio de jornalismo dos EUA

São Paulo | Reuters

A agência de notícias Reuters venceu nesta segunda (15) dois prêmios Pulitzer de jornalismo, a mais importante honraria da profissão nos Estados Unidos: um de reportagem internacional, pela investigação que revelou a execução de muçulmanos rohingyas por budistas e pelas forças de segurança de Mianmar, e outro relativo a fotografias de migrantes na fronteira dos Estados Unidos.

O fotógrafo brasileiro Ueslei Marcelino, que teve passagem pela Folha, foi premiado pelo seu trabalho no projeto “Na Trilha de Migrantes à América”, realizado para a agência de notícias.

A imagem de Marcelino mostra um imigrante de Honduras protegendo uma criança de colo de outros migrantes, como parte de uma caravana que tentava atravessar a fronteira dos Estados Unidos. A imagem foi captada perto de um posto de divisa da Guatemala com o México, em outubro de 2018, e faz parte de um pacote de registros sobre a caravana capturados também por outros fotógrafos.

Foto de Ueslei Marcelino ganhadora do Pulitzer de jornalismo - Ueslei Marcelino/REUTERS

A participação da Reuters inclui uma reportagem que revelou a execução de dez rohingyas por budistas e pelas forças de segurança de Mianmar no vilarejo de Inn Din, no centro do conflito no estado de Rakhine.

Dois jovens repórteres da agência, Wa Lone e Kyaw Soe Oo, ambos cidadãos de Mianmar, encontraram uma cova coletiva repleta de ossos que saíam pela superfície. Eles então passaram a reunir depoimentos de executores, testemunhas e familiares das vítimas.

Antes que Wa Lone e Kyaw Soe Oo pudessem concluir a investigação, ambos os jornalistas foram presos em dezembro de 2017 no que observadores internacionais têm criticado como um esforço de autoridades para impedir a reportagem.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.