Descrição de chapéu The Washington Post

Trump azeda relações com América Latina, e China e Rússia aproveitam

Para especialistas, retórica da Casa acabou abrindo as portas para rivais

Alex Horton

Com a Venezuela em chamas, China e Rússia buscam se afirmar nos detritos. 

Mas os EUA foram apanhados desprevenidos, e o Pentágono tenta desenvolver formas de conter a influência desses países na América Latina, já que o presidente Donald Trump antagonizou e se distanciou de países do hemisfério Ocidental.

Autoridades americanas de defesa buscaram opções brandas para conter a China e a Rússia na Venezuela, segundo relatou a CNN nesta semana, com uma mistura de missões humanitárias e mais treinamento na América Latina liderados pelo Comando Sul dos EUA, o ramo do Pentágono que supervisiona um sexto da massa terrestre do mundo.

O presidente russo, Vladimir Putin, recebe o ditador venezuelano, Nicolás Maduro, em Moscou - Maxim Shemetov - 5.dez.18/Reuters

Mas especialistas disseram que esses esforços e outros se opõem à retórica e à pressão da Casa Branca, que fez exigências significativas aos países latino-americanos para que contenham a migração e o tráfico de drogas sem oferecer muito em troca —ao mesmo tempo cedendo influência e apoio que a Rússia e, especialmente, a China ficaram felizes em assumir.

"A política do governo Trump reforçou a presença cada vez maior da China na região", disse Benjamin Gedan, ex-oficial do Conselho de Segurança Nacional no governo Obama e assessor sênior do programa latino-americano no grupo de pensadores Wilson Center, em Washington. "É totalmente contraproducente."

Há anos a China e a Rússia tentam obter maior influência no hemisfério Ocidental, mas estão cada vez mais ousadas ao reforçar suas posições econômica e de segurança na América do Sul, na América Central e no Caribe.

A China prometeu investir US$ 250 bilhões na região e alcançar US$ 500 bilhões em comércio, enquanto a Rússia se firmou para antagonizar os EUA e demonstrar seu poder. Ambas investiram bilhões na Venezuela, embora alguns especialistas tenham questionado a verdadeira proeminência e o enfoque da Rússia na região. 

Enquanto isso, a abordagem do governo Trump à América Latina é cheia de distorções e contradições e enfatiza as relações principalmente através da migração e da criminalidade. 

Citando uma enxurrada de migrantes na fronteira, Trump pretende cortar a ajuda para Honduras, El Salvador e Guatemala, onde a assistência se destina a combater a corrupção, estimular a economia e reduzir a violência —problemas que causam a migração para os EUA. Autoridades do governo disseram que não pensam que a ajuda foi eficaz.

Avião chinês com remédios e suprimentos médicos é descarregado em aeroporto na Venezuela - Yuri Cortez - 29.mar.19/AFP

Trump também aumentou as sanções a Cuba e Nicarágua por seu apoio ao governo Maduro na Venezuela, chamou três diplomatas depois que os países centro-americanos não reconheceram mais Taiwan, impôs tarifas ao aço prejudiciais ao Brasil e disse a um ex-presidente mexicano que avaliaria mandar tropas americanas cruzarem a fronteira do país aliado para combater os cartéis.

Essas e outras medidas irritaram as autoridades latino-americanas e levaram algumas a reavaliar o valor da relação com os EUA. 

"Há uma retórica dura vindo da Casa Branca, mas não se oferece muito em troca", disse Cynthia Arnson, diretora do programa para a América Latina no Wilson Center. "A reação foi: 'Os EUA nos tratam como inimigo em termos econômicos'."

Outras partes do governo americano se esforçaram para afirmar os EUA como potência preferida na região. O secretário de Estado, Mike Pompeo, percorreu o hemisfério e criticou a China e a Rússia pelo que ele descreveu como reforçar os líderes autoritários e disseminar a corrupção. 

"Neste continente, os EUA estão aparecendo como nunca antes —lembrando a nossos amigos o quanto temos em comum, o quanto nossos interesses se alinham e o quanto amamos vocês", disse Pompeo em 12 de abril em Lima (Peru). 
Pompe

 acrescentou: "China e Rússia estão aparecendo na porta da casa, mas depois que entrarem conhecemos as armadilhas da dívida. Eles vão usar armadilhas, desconsiderar as regras e espalhar desordem em sua casa". 

Mas esses países já estão lá, e a China particularmente encantou a América do Sul com equipamento militares, tecnologia e relações militares diretas que indicaram um interesse mais profundo. 

Parte disso provocou preocupações, principalmente sobre um centro de controle de satélites construído por militares chineses, de US$ 50 milhões, na estepe da Patagônia, provocando especulações de que também servirá como estação de vigilância. 

O que está ainda menos claro é o quão preocupada a Casa Branca esteve com a recente expansão chinesa na região. O Conselho de Segurança Nacional e o Comando Sul dos EUA não retornaram pedidos de comentários para esta reportagem. 

A China vendeu aviões, armas e equipamento militar na Venezuela, no Peru, no Equador e em outros países para se inserir na infraestrutura e nas decisões políticas locais. 

Ela também reforçou os exercícios militares e as missões humanitárias, e ao distribuir armas e tecnologia criou um ambiente em que pode refinar seus equipamentos e redes de distribuição. 

"A China está tentando reprogramar o mundo", disse R. Evan Ellis, professor de pesquisa em estudos latino-americanos no Colégio de Guerra do Exército dos EUA. 

É o mesmo manual que o Comando Sul usa há anos, disse ele. 

A influência recente da China é ainda mais clara quando comparada com a da Rússia, segundo Ellis. A proliferação russa de armas e equipamento militar, notadamente na Venezuela, declinou enquanto os países procuram na China sistemas mais confiáveis. 

As mobilizações chinesas e os convites para jovens oficiais latino-americanos treinarem na China demonstram uma seriedade que a Rússia não demonstra com frequência. As mobilizações russas de aviões de guerra e navios em Cuba e na Venezuela durante anos indicaram mais provocação do que estratégia, mas a Rússia tem muito menos a perder na região, segundo Ellis.

"Tudo sobre a presença russa demonstra muito mais fraqueza do que força", explicou ele. "Não tem qualquer lógica ou sustentabilidade."

The Washington Post

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.