Descrição de chapéu Venezuela

Após reabertura de fronteira, 893 venezuelanos chegam ao Brasil

Reestabelecimento da passagem, bloqueada desde 21 de fevereiro, foi realizado nesta sexta

Pessoas atravessam a fronteira entre o Brasil e a Venezuela em Pacaraima, no estado de Roraima
Pessoas atravessam a fronteira entre o Brasil e a Venezuela em Pacaraima, no estado de Roraima - Antonello Veneri - 10.mai.19/AFP
 
Fernanda Reis
São Paulo

Após o anúncio do governo do ditador Nicolás Maduro de que a fronteira entre Brasil e Venezuela seria reaberta, 893 venezuelanos passaram na sexta (10) pelo posto de recepção e identificação de Pacaraima, em Roraima, segundo o Ministério da Defesa. Desses, 743 ingressavam no Brasil pela primeira vez. No mesmo dia, 89 venezuelanos deixaram o Brasil.

Segundo a Operação Acolhida, do governo federal, responsável por receber os venezuelanos, durante o período em que a fronteira esteve fechada, chegavam a Roraima entre 400 e 500 pessoas por dia. De acordo com moradores de Pacaraima, o sábado (11) amanheceu muito chuvoso, com neblina, e o fluxo de imigrantes parece ter diminuído.

O anúncio de reabertura da fronteira, que estava bloqueada desde 21 de fevereiro, foi feito na sexta por Tareck El Aissami, ministro da Indústria da Venezuela, em discurso transmitido pela televisão. 

"Gradualmente, iremos estabelecendo e consolidando mecanismos de controle para que essa fronteira seja cada vez mais uma fronteira robusta, de desenvolvimento econômico e produtivo, que beneficie ambas as nações", disse ele.

A passagem entre Brasil e Venezuela havia sido fechada dias antes de uma ação na qual a oposição venezuelana planejava levar ajuda humanitária enviada do exterior para dentro do país. Forças de Nicolás Maduro bloquearam a passagem dos mantimentos, que haviam sido enviados por países como os Estados Unidos.

Apesar do bloqueio, a travessia continuou sendo feita, por meio de trilhas clandestinas. Soldados cobravam propina dos pedestres para liberar a passagem.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.