Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro cancela viagem a NY para participar de evento em que seria homenageado

Presidente seria celebrado como 'Pessoa do Ano' em jantar organizado pela Câmara de Comércio Brasil-EUA

Brasília , Washington e São Paulo

Após uma série de polêmicas, o presidente Jair Bolsonaro cancelou sua viagem a Nova York, onde seria homenageado no dia 14 de maio com o prêmio de "Pessoa do Ano" em jantar de gala promovido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos.

A informação foi confirmada à Folha pela assessoria do Itamaraty e do Palácio do Planalto. 

Segundo o gabinete do porta-voz da Presidência, "em face da resistência e dos ataques deliberados do prefeito de Nova York e da pressão de grupos de interesses sobre as instituições que organizam, patrocinam e acolhem em suas instalações o evento anualmente, ficou caracterizada a ideologização da atividade".

Em entrevista a uma rádio, em abril, o prefeito de Nova York, o democrata Bill de Blasio, disse que Bolsonaro não era bem-vindo à cidade e o chamou de racista, homofóbico e destrutivo.

"Em função disso", segue a nota divulgada pelo governo brasileiro, "e consultados vários setores do governo, o presidente Bolsonaro decidiu pelo cancelamento da ida a essa cerimônia e da agenda prevista para Miami". 

Aliados de Bolsonaro nos EUA foram pegos de surpresa com a notícia. Haviam organizado diversos compromissos para o presidente, inclusive reunião com empresários e investidores. 

Na quarta-feira (15), o presidente viajaria para Miami, onde encontraria parlamentares republicanos, como o senador Marco Rubio, um dos principais expoentes do Congresso dos EUA contra o regime de Nicolás Maduro na Venezuela.

O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de formatura de turma do Instituto Rio Branco, no auditório do Itamaraty, em Brasília
O presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de formatura de turma do Instituto Rio Branco, no auditório do Itamaraty, em Brasília - Pedro Ladeira/Folhapress

Desde que, no mês passado, o Museu de História Natural de Nova York se recusou a receber o evento, uma série de manifestações pressionavam os patrocinadores a não vincular seu dinheiro —nem suas marcas— ao evento que, além do presidente, homenagearia o secretário de Estado americano, Mike Pompeo. 

O objetivo dos protestos era que o jantar fosse cancelado.

Em nota, a câmara afirmou que foi informada pela Presidência da República que Bolsonaro não participará do jantar do dia 14 de maio, mas que o evento está confirmado com os demais homenageados. “Outros eventos paralelos agendados para acontecer durante a semana serão realizados como planejado."

O jantar se tornou objeto de controvérsia e criou embaraços com empresas e a elite nova-iorquina.

Após o Museu Americano de História Natural se recusar a sediar o evento, o hotel New York Marriott Maquis aceitou receber o jantar e passou a ser alvo de manifestações.

O senador estadual democrata Brad Hoylman, representante da comunidade gay, enviou carta ao hotel para pedir que o local também não recebesse o presidente brasileiro. 

Segundo ele, Bolsonaro é "homofóbico perigoso e violento, que não merece uma plataforma pública de reconhecimento em nossa cidade". O Marriott tem histórico de apoio à causa LGBT. 

Em publicação no Twitter, o senador afirmou que não é possível a empresas ter dois lados: "Apoio aos LGBT ou a um notório homofóbico".

A companhia aérea Delta, a consultoria Bain & Company e o jornal Financial Times, que patrocinavam a festa, retiraram o apoio no início desta semana. Ao explicar a decisão, a Bain disse à CNN que "celebrar a diversidade é um princípio essencial" da empresa.

Nesta sexta, Folha revelou que o Banco do Brasil e o consulado-geral do país em Nova York ajudaram a financiar a festa. O banco concordou em pagar US$ 12 mil (R$ 47,5 mil) para ter uma mesa com dez lugares no jantar de gala anual da entidade, cujo objetivo é arrecadar fundos para patrocinar interesses de empresas brasileiras e americanas nos Estados Unidos. 

Organizadores dos eventos de que Bolsonaro participaria em Nova York ficaram surpresos e chocados com o cancelamento da viagem. Entre os eventos previstos estavam um encontro com o CEO do Bank of America; um almoço para 115 pessoas; um jantar no Metropolitan Club para 250 pessoas, com presença do presidente do Banco Safra; um café da manhã no Harvard Club; uma entrevista para o Wall Street Journal e outros.

Entre os que permaneciam no hall de patrocinadores do evento estavam instituições financeiras como Merrill Lynch, Credit Suisse, Morgan Stanley, Citigroup, Itaú, Bradesco e HSBC.

A premiação é concedida há 49 anos e busca homenagear dois líderes, um brasileiro e um americano, reconhecidos pela atuação em aproximar e melhorar as relações entre os dois países no ano anterior.

Em 2018, foram laureados Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, e Michael Bloomberg, empresário e ex-prefeito de Nova York. 

Nos anos anteriores, os premiados foram João Doria (2017), na época prefeito de São Paulo e hoje governador, o economista Armínio Fraga (2016) e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (2015).

Talita Fernandes, Marina Dias e Patrícia Campos Mello
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.