Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Chanceler compara Bolsonaro a Jesus ao chamá-lo de 'pedra angular'

Ernesto Araújo defende ainda posição do governo contra o ditador Nicolás Maduro

Ricardo Della Coletta Gustavo Uribe
Brasília

O chanceler Ernesto Araújo afirmou nesta sexta-feira (3) que "diplomacia não significa ficar em cima do muro" e que os diplomatas precisam ter "sangue nas veias".

Em discurso na cerimônia de formatura do Instituto Rio Branco, a escola de formação dos diplomatas, Araújo fez uma defesa enfática da política externa do governo Jair Bolsonaro. 

Ao final, o chanceler se referiu a Bolsonaro como “a pedra angular do novo Brasil”.

O chanceler Ernesto Araújo ao lado do presidente Jair Bolsonaro, no Itamaraty - Pedro Ladeira/Folhapress

Citado em diversas passagens bíblicas, o termo é uma referência simbólica a Jesus Cristo, escolhido por Deus mas rejeitado pelos homens. 

“A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular do edifício. A pedra que a imprensa rejeitou e que os intelectuais rejeitaram; que os artistas rejeitaram e que os autoproclamados especialistas rejeitaram, ela tornou-se a pedra angular do edifício, o edifício do novo Brasil”, declarou. 

"Nós do Itamaraty estamos prontos para, a partir da sua orientação e com base na pedra angular, rejeitada por tantos, mas escolhida pelo povo, ajudá-lo a construir esse novo Brasil", concluiu. 

Araújo também disse que Bolsonaro é o presidente que “mais valorizou o Itamaraty”.

Todos os anos, os formandos do Instituto Rio Branco escolhem um patrono. Em 2019, eles homenagearam Aracy de Carvalho Guimarães Rosa, que protegeu judeus na Alemanha nazista e aprovou seus pedidos de visto ao Brasil durante a Segunda Guerra Mundial.

"Basta a consciência dessa turma [de diplomatas] de que diplomacia não significa ficar em cima do muro, não significa ficar assistindo aos grandes embates da humanidade esperando para aderir ao vencedor", declarou.

"Diplomacia precisa ter sangue nas veias, e com a Aracy [de Carvalho Guimarães Rosa, patrona da turma que se formou nesta sexta-feira] quero homenagear todos os combatentes da liberdade e os que sofrem perseguição, na Venezuela e em outras partes do mundo."

Araújo disse que a política externa adotada em sua gestão "não recua diante de críticas" e defendeu as pressões adotadas pelo Brasil para forçar a saída do ditador Nicolás Maduro do governo da Venezuela. 

"O mundo todo tem os olhos na Venezuela porque lá há o combate entre democracia e opressão", disse o chanceler.

"É muito triste ver pessoas no Brasil torcendo pela tirania apenas para ver o governo [Bolsonaro] se dar mal", acrescentou.

Araújo também disse que Bolsonaro é o presidente que "mais valorizou o Itamaraty".

"Nenhum presidente da República valorizou mais o papel do Itamaraty do que o senhor. Nenhum presidente teve uma visão mais clara do que a sua, executada pelo Itamaraty num projeto de grande transformação nacional."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.