Ex-dirigente do grupo separatista ETA é preso na França após 17 anos foragido

Josu Ternera foi líder de organização que lutava pela independência do País Basco da Espanha

Lucas Neves
Paris

Ex-líder do grupo separatista basco ETA, Josu Ternera, 68, foi preso na manhã desta quinta (16, madrugada no Brasil) em Sallanches, nos Alpes franceses, perto das fronteiras com a Suíça e com a Itália.

Ele estava foragido havia 17 anos, desde o momento em que foi intimado pela Justiça da Espanha a depor sobre sua suposta participação no atentado a um quartel de Zaragoza (nordeste do país) que matou 11 pessoas (incluindo seis crianças) em 1987.​

O ex-líder do ETA, Jose Antonio Urrutikoetxea, "Josu Ternera", após ser solto da prisão, em 2000 - Vincent West

À época, Ternera cumpria mandato como deputado no Parlamento regional.

A facção independentista, criada no fim dos anos 1950, lutava pela independência da região do País Basco, no norte da Espanha, e é apontada como responsável por mais de 800 mortes até a sua declaração de armistício, em 2011. Seis anos depois, a organização entregou suas armas.

Em maio de 2018, o ETA anunciou sua dissolução integral, justamente pela voz de Ternera (que tem como nome de batismo Jose Antonio Urrutikoetxea).  

A prisão desta quinta ocorreu devido a uma condenação pela Justiça francesa, não espanhola. Em 2017, um tribunal de Paris fixou pena de oito anos de reclusão para o basco por participação em organização terrorista.

Não há ordem de prisão visando Ternera em seu país de origem.

Com Reuters

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.