Descrição de chapéu The New York Times

Imagens de mísseis no mar detonaram debate nos EUA sobre ameaça iraniana

No entanto, autoridades divergem sobre o que as fotos revelam sobre os planos do Irã

The New York Times

A informação que levou a Casa Branca a intensificar seus alertas sobre a ameaça do Irã veio na forma de fotografias de mísseis carregados a bordo de pequenas embarcações no Golfo Pérsico por forças paramilitares iranianas, disseram três representantes do governo americano.

As imagens aéreas revelaram mísseis completamente montados, despertando medo de que a Guarda Revolucionária iraniana possa dispará-los contra navios da Marinha de guerra americana.

Outras informações revelaram ameaças contra navios comerciais e potenciais ataques de grupos armados árabes vinculados ao Irã contra tropas americanas no Iraque.

FILE -- President Donald Trump addresses troops during a surprise visit to at Al Asad Air Base in Iraq, Dec. 26, 2018. Amid repeated, unsubstantiated statements from the Trump administration that Iran and aligned militias were planning to strike American troops in the region, most Iraqis insist that the prospect of a full-blown war is remote. (Al Drago/The New York Times)
O presidente Donald Trump fala com soldados durante visita surpresa à Base Aérea Al Asad, no Iraque - Al Drago - 26.dez.2018/The New York Times

Mas o grau de alarme que o governo Trump deveria manter com relação às novas informações é tema de debate feroz entre a Casa Branca, o Departamento de Defesa, a Agência Central de Inteligência (CIA) e os aliados dos Estados Unidos.

As fotos mostram um tipo de ameaça diferente do encontrado anteriormente da parte do Irã, disseram os três funcionários, que falaram sob a condição de que seus nomes não fossem mencionados porque não estão autorizados a discutir o assunto publicamente.

Avaliadas em companhia de outras informações, elas poderiam indicar que o Irã está se preparando para atacar forças americanas. Essa é a posição de John Bolton, o assessor de Segurança Nacional linha dura do presidente Trump, e do secretário da Defesa, Mike Pompeo.

Mas outras autoridades —entre as quais representantes de países europeus, do Iraque, legisladores de ambos os partidos americanos e alguns funcionários importantes do governo Trump —  afirmam que as ações iranianas podem ser acima de tudo defensivas, contra o que Teerã acredita serem provocações de Washington.

De qualquer forma, as questões sobre as informações que embasam as ações americanas e as queixas de legisladores quanto a não terem sido instruídos a respeito refletem a profunda desconfiança sobre a equipe de segurança nacional de Trump.

O Departamento de Estado na quarta-feira (15) ordenou a retirada parcial de funcionários da Embaixada dos EUA em Bagdá e de um consulado na região curda do Iraque, o que um funcionário importante do governo americano descreveu como reação exagerada a informações recebidas, que pode aumentar os riscos para os diplomatas em lugar de lhes propiciar mais segurança

A democrata Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Deputados, criticou a falta de transparência  do governo quanto às informações, de acordo com um assessor do Partido Democrata. Ela também disse que o governo tinha de consultar o Congresso antes de qualquer ação.

Dirigentes dos serviços de informações devem se reunir com líderes do Legislativo nesta quinta-feira (16) para informá-los sobre as novas avaliações quanto ao Irã.

Nove representantes do Congresso e do setor de segurança nacional americano falaram sobre as informações e as reuniões sigilosas a respeito delas, sob a condição de que seus nomes não fossem citados por não terem autorização para falar publicamente sobre o assunto.

Míssil de fabricação iraniana é exposto em exibição pelo Departamento de Estado americano, em base militar em Washington - Al Drago - 29.nov.2018/Reuters

Representantes das Forças Armadas se esforçaram para mostrar que a ameaça iraniana está crescendo, e agentes dos serviços de inteligência exibiram uma foto sigilosa de um dos pequenos barcos, chamados "dhows", armados com o que foi descrito como um míssil iraniano funcional.

O Pentágono não divulgou a foto. Sozinha, disseram dois funcionários do governo americano, ela não é convincente o bastante para conquistar o apoio do público e dos legisladores americanos, e nem dos aliados do país, quanto à nova ameaça iraniana.

As outras fotos, que continuam sigilosas, mostram a Guarda Revolucionária iraniana embarcando mísseis em barcos em diferentes portos do Irã, disseram os dois funcionários. Acredita-se que os barcos estejam sob o controle da Guarda Revolucionária.

Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.