Para ganhar confiança de haitianos, Brasil chegou a proibir militares de usar óculos escuros

Documentos confidenciais revelam dificuldades na relação com moradores da capital haitiana

Soldado brasileiro da Minustah durante patrulha na favela de Cité Soleil, em Porto Príncipe

Soldado brasileiro da Minustah durante patrulha na favela de Cité Soleil slum, em Porto Príncipe Hector Retamal - 11.mar.14/AFP

São Paulo

Olhar “olho no olho” da população haitiana, e não apenas no sentido metafórico, foi um dos principais desafios enfrentados pelos militares brasileiros no início da Minustah, missão da ONU que procurava estabilizar o país caribenho.

Documentos confidenciais da ONU, Ministério da Defesa e Itamaraty obtidos pela Folha revelam como foi complicado estabelecer relação de confiança com os moradores da capital, Porto Príncipe, área de atuação do batalhão brasileiro.

O início das operações da Minustah (Missão das Nações Unidas para Estabilização no Haiti) completa 15 anos no sábado (1º). A missão terminou em 2017, sempre com o comando militar brasileiro.
Uma medida foi vetar o uso de óculos escuros pela tropa.

“O uso de óculos escuros durante as operações militares foi proibido pelo comando do batalhão, com vistas a permitir que a população pudesse ‘ver os olhos’ da tropa e que fosse passada uma impressão de segurança”, escreveu em relatório de dezembro de 2005 o então comandante do batalhão brasileiro, coronel Adilson Mangiavacchi.

A ordem, contudo, era de difícil implementação. “O uso de óculos escuros é uma cultura muito arraigada entre os militares”, afirmou o coronel.

A missão da ONU foi criada para tentar restabelecer a ordem no país, que vivia uma onda de violência entre partidários e opositores do presidente Jean-Bertrand Aristide após sua queda, em fevereiro de 2004.

Havia receio do Brasil de ser visto como líder de uma força de ocupação militar. ONGs e partidários de Aristide acusavam brasileiros de uso de violência em abordagens à população.

A imagem incomodava a chefia da missão, que frequentemente convidava jornalistas para acompanhar ações da tropa. O comando brasileiro admitia preocupação com possíveis excessos cometidos pelos militares, e a presença da imprensa tinha também a função de inibir eventuais desvios de conduta.

“Sempre que possível, a mídia foi convidada a acompanhar as operações militares ‘in loco.’ Tal presença colocou um limitador positivo a possíveis excessos dos nossos militares e deu transparência às nossas ações”, escreveu Mangiavacchi.

A relação com a imprensa era ambígua. Os militares reclamavam de cobertura negativa, mas também se sentiam ignorados. “A sensação que se tem é que a mídia deu pouca divulgação, no Brasil, do trabalho positivo do contingente”, disse Mangiavacchi.

Os documentos mostram que os militares eram chamados para funções que atrapalhavam na tarefa de dar estabilidade ao país. Isso ocorria devido a deficiências da polícia haitiana e de firmas de segurança privadas.

Em 9 de janeiro de 2005, o Brasil teve de oferecer segurança para uma partida de futebol entre Haiti e Cuba. O então primeiro-ministro do país, Gerard Latortue, estava presente, e não houve como recusar a missão.

Longe da família e sob tensão permanente, os militares brasileiros eram recompensados quando possível.
Num país à época quase sem internet, tinham boa conexão nos batalhões.

Também havia duas sessões de cinema por semana, churrascos periódicos de confraternização, missas católicas e cultos evangélicos, além do chamado “arejamento”: três folgas por mês, com viagens organizadas pelo batalhão.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.