Presidente argentino pena para executar choque neoliberal

Macri prometeu acabar com subsídios do kirchnerismo, mas cortes aumentam insatisfação e impactam inflação

Sylvia Colombo
Buenos Aires

Quando Mauricio Macri assumiu a Presidência da Argentina, em dezembro de 2015, levava a bandeira de acabar com a política de protecionismo e subsídios do kirchnerismo (2007-2015), segundo ele, responsáveis pela crise econômica argentina.

Na época, o país não crescia havia dois anos, a inflação estava em 25% ao ano, e o índice de pobreza, em 28,5%.

Seu mote de campanha era "abrir a economia e voltar ao mundo", referindo-se ao "choque neoliberal" que pretendia realizar. Para isso, chamou o economista estrela Alfonso Prat-Gay, que durou pouco menos de um ano no cargo.

O presidente argentino, Mauricio Macri - Juan Mabromata / AFP

A estratégia inicial era a de liberar o valor de compra do dólar oficial, terminando com a existência de um câmbio paralelo e clandestino, o "dólar blue". Seriam ainda derrubadas travas protecionistas e subsídios da era kirchnerista.

As duas últimas medidas, porém, estiveram longe de um "choque" propriamente dito. Para o economista Martín Redrado, "as travas também geram com o tempo uma lógica, e é difícil desfazer-se delas".

Apesar de ter criticado o protecionismo, alguns setores da agropecuária seguiram defendendo a prática, e o presidente foi adiando a medida.

Quanto aos subsídios, Macri tampouco atacou o problema de uma vez. Talvez temeroso de perder capital político, foi retirando os descontos das tarifas de água, gás, eletricidade e transporte aos poucos.

Porém, esses subsídios eram tão altos, que mesmo retirados gradualmente causaram aumentos que foram sentidos no bolso dos trabalhadores, aumentaram a insatisfação popular e impactaram na inflação ao longo do mandato.

Essa é uma das razões pelas quais o índice segue alto e crescendo. A outra é o fato de a Argentina necessitar pedir empréstimos em dólar no exterior para pagar o déficit de orçamento, o que joga mais pesos no mercado e gera, portanto, mais inflação.

O dólar tem sido outro pesadelo. Por ser uma economia muito dependente da moeda americana, o país foi afetado sempre que houve turbulência fora. Isso obrigou o Banco Central a aumentar os juros. Quatro anos depois, o dólar passou de 9 pesos a quase 47.

Onde seus esforços mais parecem ter dado resultado foi na melhora da imagem da Argentina. Os mercados internacionais aprovaram o fim de um governo populista —mas os afagos e as fotografias oficiais não se traduziram em investimentos concretos.

A tal "chuva de investimentos" que Macri tanto prometia nunca veio, entre outras coisas porque o cenário econômico mundial não era dos melhores.

O resultado depois de quatro anos é pobre. No fim de 2019, a economia terá encolhido uns 3%, a inflação deve chegar a 50%, embora a queda do PIB deva ser menor (1,5%). A pobreza aumentou para 32%.

Isso com o país mais endividado pois, em 2018, ante o disparo do valor da moeda e a dificuldade de cobrir o rombo do orçamento, a Argentina pediu ao FMI uma linha de crédito de US$ 57 bilhões.

Para o economista Marcelo Elizondo, "não houve um choque neoliberal, pois se optou por uma reforma gradual, talvez não a mais apropriada para o contexto internacional".

A outra alternativa, porém, de um ajuste mais duro logo de cara, poderia custar ao governo popularidade e apoio no Congresso, algo que está perdendo agora com o fiasco da política econômica.

Macri quer reeleger-se em outubro. Para isso, suspendeu por completo as medidas neoliberais e voltou a políticas assistencialistas e congelamento de preços, para impedir que a inflação dispare.

Voltaram planos como o de Preços Cuidados, descontos em supermercados para aposentados e pensionistas, e não haverá aumento de tarifas até o fim do ano. Se isso garantirá sua reeleição, se saberá em outubro e novembro (no provável segundo turno).​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.