Descrição de chapéu

Vitória de presidente é certa na África do Sul, mas reformas dependem de margem convincente

Triunfo magro de Ramaphosa poderá ser visto como oportunidade perdida para mudanças que alavanquem o crescimento

Fábio Zanini

Um novo termo vem sendo usado por analistas na campanha eleitoral sul-africana: Ramaphoria, ou seja, a euforia com o presidente Cyril Ramaphosa.

Após uma década de crise econômica e corrupção, o Congresso Nacional Africano (CNA), partido dominante na política da África do Sul desde o fim do apartheid, recuperou parte da reputação que perdeu durante o desastroso governo de Jacob Zuma (2009-18).

Ramaphosa assumiu a Presidência em fevereiro do ano passado, após o CNA ter finalmente se cansado do populismo e dos escândalos em série de Zuma e forçado sua renúncia.

O atual presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, durante discurso em comício no estádio Ellis Park, em Johannesburgo
O atual presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, durante discurso em comício no estádio Ellis Park, em Johannesburgo - Gianluigi Guercia - 5.mai.19/AFP

Comparado a seu antecessor, o atual presidente é visto como um reformista. Contribui muito para sua imagem majoritariamente positiva o fato de ele ter sido braço direito do venerado Nelson Mandela no processo de transição para a democracia, nos anos 1990.

Aliados não se cansam de espalhar que Ramaphosa era o preferido do ícone morto em 2013 para sucedê-lo quando deixou a Presidência, em 1999 (embora não exista nenhuma declaração de Mandela nesse sentido).

O desgaste do CNA, há 25 anos ininterruptos no poder, provavelmente pesará no resultado final. O partido jamais teve menos de 62% dos votos em eleições passadas, e algumas projeções para o pleito que ocorre nesta quarta-feira (8) indicam que essa fatia pode recuar para cerca de 55%.

Na província de Gauteng, centro econômico e político do país, onde estão a principal cidade, Johannesburgo, e a capital, Pretoria, a margem pode ficar abaixo de 50%, o que seria importante do ponto de vista simbólico.

Além disso, a oposição nunca pareceu tão forte. A Aliança Democrática, com o carismático líder Mmusi Maimane à frente, deve ser a opção de grande parte da classe média negra e da minoria branca (cerca de 10% do eleitorado).

É um partido que tem uma imagem de moderação, limpeza e eficiência, sobretudo na região de Cidade do Cabo, que governa.

À esquerda, uma grande novidade se apresenta. Julius Malema, dissidente do CNA e líder de um partido que defende a nacionalização da indústria mineradora e a expropriação de propriedades rurais para reforma agrária sem compensação, pode chegar a 15%. Na eleição passada, a primeira que disputou, teve surpreendentes 6%.

Barulhento e com grande poder de mobilização entre jovens desiludidos com a falta de oportunidades de trabalho, Malema certamente teria poder para dificultar as reformas econômicas que Ramaphosa promete.

O país tem 25% de desempregados e estatais notoriamente ineficientes, sobretudo a Eskom, gigante do setor elétrico, que não consegue evitar apagões periódicos.

Ramaphosa promete desregulamentação, flexibilização das leis trabalhistas e um melhor ambiente de negócios. Também tem colocado o combate à corrupção, inclusive em seu partido, na lista de prioridades.

Por isso, é de se esperar que os mercados reajam bem a uma eventual vitória convincente do presidente. O fato de ter passado um período no setor privado contribui para sua imagem de figura relativamente liberal num partido que não exorcizou totalmente seu passado marxista-leninista.

Apesar do desgaste, o CNA tem força. É o partido de Mandela e da luta pela liberdade, além de ter realizações a mostrar em áreas como habitação, transportes e combate à criminalidade (que já foi bem mais alta).

Com uma máquina política estruturada em todo o país, sobretudo nas áreas mais pobres, demorará algumas eleições para se ver seriamente ameaçado.

Se não há dúvida de que Ramaphosa vencerá, a questão a saber é com que força política ele sairá da eleição.

Uma vitória magra poderá ser vista como mais uma oportunidade perdida de o país fazer reformas que alavanquem o crescimento, há anos patinando abaixo de 2% ao ano.

O presidente teria menos poder para unificar seu partido, notório pelas divisões internas, em torno de seu projeto de governo.

Ramaphoria, em resumo, pode se tornar rapidamente uma depressão.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.