Descrição de chapéu Governo Trump

Acordo México-EUA deve beneficiar traficantes de pessoas, dizem especialistas

Maior controle migratório pode aumentar demanda por intermediários para cruzar fronteira

Cidade do México | AFP

O acordo migratório entre o governo mexicano e os Estados Unidos que evitou a imposição de tarifas progressivas às exportações mexicanas pode ter um beneficiário: os traficantes de pessoas na fronteira sul do México.

O pacto firmado na noite de sexta-feira (7) implica que o México mobilizará efetivos militares da recém-criada Guarda Nacional para a fronteira com a Guatemala, além de desmantelar grupos de tráfico de pessoas.

Imigrantes centro-americanos chegam ao estado de Chiapas, no México, após cruzar a fronteira com a Guatemala
Imigrantes centro-americanos chegam ao estado de Chiapas, no México, após cruzar a fronteira com a Guatemala - Pedro Pardo/AFP

Especialistas preveem, porém, que a presença da Guarda Nacional pode aumentar a pressão na fronteira sul, fortalecendo o negócio desses traficantes.

"Haverá mais mecanismos de controle. Haverá mais rigidez na passagem. E isso vai provocar o aumento do custo do translado. Isso fortalece o negócio do crime organizado que trafica pessoas", disse à AFP Javier Urbano, pesquisador em Assuntos Internacionais da Universidade Ibero-Americana.

"Quanto maior a dificuldade, maior o custo e maior a demanda do tráfico de pessoas", acrescenta.

As autoridades mexicanas chegaram a um acordo diante da ameaça dos Estados Unidos de aplicar tarifas de 5% sobre todas as exportações do México a partir desta segunda-feira (10).

"Não vejo nenhum acordo. O que eu vejo é o pagamento de uma extorsão. Não tem tarifas, e o México aceita uma série de coisas que têm muitas complicações para o país", criticou a especialista em migração Leticia Calderón, do Instituto Mora, um centro de pesquisa situado na Cidade do México.

Ativistas e políticos mexicanos da oposição disseram ainda que o acordo implica a militarização da fronteira sul.

Apesar do envio da Guarda Nacional, a pressão das autoridades mexicanas sobre os migrantes não é nova. Há meses, observam-se contínuas operações e detenções no sul do México. As medidas contradizem o discurso de portas abertas à migração adotado pelo presidente Andrés Manuel López Obrador desde que assumiu o cargo, em dezembro passado.

As detenções de estrangeiros em território mexicano passaram de 8.248 pessoas, em janeiro deste ano, para 23.679, em maio. A grande maioria é formada por cidadãos centro-americanos, apontam números recentes divulgados pelo governo mexicano. As deportações também mostram uma espiral ascendente. Passaram de 5.884, em janeiro passado, para 16.507, em maio. O perfil é o mesmo.

Para o especialista Javier Urbano, as detenções de migrantes e o acordo fechado na sexta-feira mostram a sintonia entre a política migratória dos Estados Unidos e a do México.

"Temos uma dependência quase patológica da economia dos Estados Unidos e vivemos em sincronia com a agenda de segurança desse país", comentou.

Apesar das medidas de pressão de ambos os governos, o ativista Luis Villagrán é categórico: "A migração não vai parar". 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.