Descrição de chapéu Governo Trump

Amigo de Olavo de Carvalho, diplomata é promovido e pode ser indicado embaixador do Brasil nos EUA

Comunicado interno do Itamaraty informa promoção de Nestor Forster, que ainda deve ser oficializada no Diário Oficial

Marina Dias
Washington

Amigo do escritor Olavo de Carvalho, o diplomata Nestor Forster foi promovido à primeira classe da carreira do Itamaraty nesta quarta-feira (12), movimento que pode selar sua indicação para o cargo de embaixador do Brasil nos EUA.

Segundo apurou a Folha, a promoção de Forster foi divulgada em comunicado interno aos funcionários do Ministério das Relações Exteriores e deve ser publicada nos próximos dias no Diário Oficial da União.

Como ministro de primeira classe, o diplomata pode ser escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir a embaixada em Washington, mas seu nome precisaria ser aprovado pelo Senado antes de ser oficializado.

Até este mês, Forster era ministro de segunda classe na carreira diplomática e esperava sua promoção,  visto que, por lei, só podem ser indicados para o cargo de embaixador em Washington ministros que sejam de primeira classe.

A partir do momento que a promoção sair no Diário Oficial, ele assume a embaixada como encarregado de negócios e, então, caso for indicado por Bolsonaro para a chefia do posto, precisa passar pela aprovação no Congresso.

Sua indicação para o cargo em Washington é patrocinada pelo ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e ganhou força —e a simpatia do presidente— durante viagem de Bolsonaro à capital americana, em março.

Nas últimas semanas, diplomatas e funcionários da embaixada brasileira nos EUA davam como certa a indicação de Forster após sua promoção ser oficializada. Agora, eles dizem, falta Bolsonaro fazer o convite.

Foi Forster quem apresentou Olavo de Carvalho para Araújo e, com aval do ministro, ajudou a elaborar a lista de convidados da "Santa Ceia da direita", jantar com a presença de pensadores e jornalistas conservadores na primeira noite do presidente na capital americana.

Desde abril, quando a remoção do então embaixador Sérgio Amaral para São Paulo foi publicada no Diário Oficial, Forster teve participações em reuniões importantes do governo brasileiro nos EUA. 

Ele estava presente no encontro de Araújo com integrantes da alta cúpula do governo Donald Trump, como o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, e o secretário de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton.

Amaral também foi às reuniões, mas o mais natural seria que seu número dois, Fernando Pimentel —que assumira a embaixada como interino—, acompanhasse a comitiva. Pimentel chegou a ir ao Departamento de Estado, mas foi Forster quem entrou com Araújo e Amaral no encontro com Pompeo. 

O consultor e advogado Murillo de Aragão, da Arko Advice, foi cotado para o posto de embaixador brasileiro nos EUA, principalmente pelo bom trânsito que tem com a ala militar do Planalto —bastante influente junto a Bolsonaro.

As apostas sobre Aragão estavam mais fortes no início do ano, mas foram perdendo força conforme Forster se consolidava com os auxiliares do presidente. 

No Itamaraty, a preferência era por alguém da carreira diplomática, o que não é o caso de Aragão. Forster, por sua vez, é visto como um bom quadro técnico por diferentes alas diplomáticas.

No comunicado desta quarta, além de Forster, outros seis diplomatas foram promovidos a ministro de primeira classe. 

Saíram também dezenas de promoções a ministro de primeira classe do quadro especial, ministro de segunda classe, segunda classe do quadro especial, conselheiro, entre outros. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.