Companhias aéreas desviam voos de região do golfo por tensão entre EUA e Irã

United Airlines, Lufthansa, KLM e British Airways são algumas empresas que alteraram serviço

Londres | AFP

Algumas das companhias aéreas mais importantes do mundo suspenderam seus voos sobre o estreito de Ormuz, em meio à crescente tensão entre o Irã e os EUA pela derrubada de um drone americano.

A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês) foi a primeira a proibir voos comerciais de seu país a entrarem no espaço aéreo controlado por Teerã no golfo Pérsico e no golfo de Omã "até novo aviso", após o incidente com seu drone.

Essas restrições se devem ao aumento das "atividades militares e às crescentes tensões políticas na região, que apresentam risco para as operações de aviação civil americana e possibilidades de erros de cálculo, ou de identificação", afirmou a FAA.

Supostos destroços de drone americano abatido Irã são exibidos pela Guarda Revolucionária Iraniana, em Teerã - Tasnim News Agency/Reuters

A decisão da FAA se aplica apenas a empresas registradas nos EUA. Como resultado, a United Airlines informou que suspenderia seu voo Newark-Mumbai.

As companhias aéreas europeias e asiáticas adotaram medidas semelhantes, incluindo a britânica British Airways, a holandesa KLM e a alemã Lufthansa.

"O incidente com o drone é uma razão para não voar sobre o estreito de Ormuz neste momento. É uma medida de precaução", disse a KLM em um comunicado, no qual afirma que a segurança é a "prioridade absoluta" da empresa.

A alemã Lufthansa anunciou que decidiu "evitar o estreito de Ormuz no golfo Pérsico".

Na quinta-feira, o Irã abateu um drone americano que, de acordo com Teerã, estava em seu espaço aéreo —os EUA dizem que o drone estava em águas internacionais.

A Holanda ainda está traumatizada pela queda em 2014 do voo MH17 da Malaysia Airlines, depois de ter sido atingido por um míssil sobre a região de Donetsk, no oeste da Ucrânia, onde os separatistas pró-russos ainda lutam contra as forças do governo ucraniano.

Os 298 ocupantes do avião morreram. Destes, 196 eram holandeses. O avião estava voando entre Amsterdã e Kuala Lumpur.

Este incidente forçou as empresas a evitarem o espaço aéreo ucraniano, uma rota muito utilizada pelas companhias em suas ligações entre a Europa e a Ásia.

 

A Malaysia Airlines disse que "acompanha de perto a situação e está atenta" aos "relatórios de segurança" das autoridades aéreas.

Já a australiana Qantas anunciou que está "adaptando as rotas dos voos sobre o Oriente Médio para evitar o estreito de Ormuz e o golfo de Omã até novo aviso".

A Singapore Airlines fez o mesmo e indicou que alguns de seus voos "tomarão rotas um pouco mais longas para evitar a área do estreito de Ormuz".

Por sua vez, a Emirates, com sede em Dubai, afirmou que está modificando as rotas de seus voos para evitar "áreas de possível conflito".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.