Descrição de chapéu The Wall Street Journal

Facebook não conseguiu antecipar interferência estrangeira na eleição dos EUA, diz executiva

Mas Sheryl Sandberg defendeu que empresa frustrou ação de hackers

Benjamin Mullen
Cannes (França) | The Wall Street Journal

A chefe operacional do Facebook, Sheryl Sandberg, disse que a empresa de mídia social não previu a interferência externa cometida com a intenção de tumultuar a eleição presidencial americana de 2016.

Falando no palco numa sessão de perguntas e respostas no Festival de Criatividade de Cannes, Sandberg disse que a empresa estava preparada para frustrar a ação de hackers antes da eleição de 2016, mas não para combater a disseminação de desinformação vinda da Rússia e outras fontes.

“Realmente isso nos passou batido”, disse Sandberg. “Passou batido por todos.”

A executiva Sheryl Sandberg - Lino Mirgeler/AFP

Desde então, segundo ela, o Facebook criou salvaguardas para frear a desinformação. A empresa intensificou sua cooperação com governos em todo o mundo para prevenir a interferência em eleições e lançou um programa de verificação com terceiros para reduzir a disseminação de informações falsas.

Na conversa de 45 minutos Sandberg falou de tópicos como a privacidade de dados, os chamados crescentes pela regulamentação de grandes empresas de tecnologia e como o Facebook está lidando hoje com fusões e aquisições.

A participação de Sandberg se deu no momento em que órgãos reguladores governamentais submetem as grandes empresas de tecnologia a atenção crescente. O Facebook está sendo examinado por investigadores da Comissão Federal de Comércio dos EUA e o Departamento de Justiça prepara uma investigação do Google, da Alphabet Inc., por suspeita de infração da legislação antitruste.

Sandberg disse que o Facebook está pedindo alguma regulamentação da empresa –ecoando um artigo de opinião publicado por Mark Zuckerberg, CEO da empresa, no Washington Post este ano– , acrescentando que a política europeia de Regulamentação da Proteção Geral da de Dados seria um bom modelo a ser seguido por uma legislação americana.

“Queremos inaugurar a próxima era”, disse Sandberg. “Estamos cooperando estreitamente com governos para redigir as regras acertadas.”

Durante a sessão de perguntas e respostas, Sandberg também tratou de chamados lançados por críticos por uma ação antitruste contra o Facebook. Ela disse que a ação antitruste visa preservar as escolhas abertas aos consumidores, e os usuários do Facebook já contam com várias alternativas de redes sociais.

“Você pode compartilhar uma foto no Instagram, com certeza, mas também pode fazer isso com outros serviços”, ela destacou.

Perto do final da conversa, Sandberg disse que o Facebook não tem grandes aquisições previstas no futuro próximo, mas observou que a empresa fez aquisições pequenas no passado. O Instagram tinha apenas 13 funcionários quando foi adquirido, ela destacou, sendo um exemplo de uma companhia pequena que cresceu rapidamente depois de ser adquirida pelo Facebook.

Sandberg disse que, embora tenha enfrentado desafios desde que se tornou chefe operacional do Facebook, ela permaneceu na empresa ao longo da turbulência recente porque sentiu que tinha a responsabilidade de resolver os problemas da rede social.

“Ao longo de tudo isso, acredito profundamente no que acontece no Facebook”, ela explicou.

Tradução de Clara Allain

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.