Líder de Hong Kong pede desculpas por ter causado conflitos

Carrie Lam prometeu aceitar com mais humildade críticas da população

Hong Kong | AFP

A chefe executiva de Hong Kong, Carrie Lam, pediu oficialmente desculpas à população neste domingo (16) pela forma como seu governo tentou aprovar o projeto da lei de extradição para a China. A proposta gerou protestos que foram repreendidos com violência pela polícia de Hong Kong. 

De acordo com o comunicado, Lam admite que as deficiências de seu governo levaram a conflitos e disputas que desapontaram e angustiaram a população. "A chefe executiva apresenta suas desculpas aos cidadãos e promete aceitar críticas com mais sinceridade e humildade", disse. 

Milhares de pessoas vestidas de preto encheram as ruas de Hong Kong mais cedo neste domingo (16). Elas pediram a saída de Lam e pressionaram a líder para que a retirada do projeto de lei seja definitiva. 

No sábado (15), Lam recuou e adiou indefinidamente o projeto, mas não se desculpou oficialmente. Ela disse lamentar e estar profundamente arrependida que "as deficiências de nosso trabalho e outros fatores tenham despertado controvérsias e conflitos substanciais na sociedade após o período relativamente calmo nos últimos dois anos".

Lam se referia às manifestações de terça (11), quando as forças armadas de segurança dispararam balas de borracha e gás lacrimogêneo para impedir que as pessoas entrassem no Parlamento local.

Os manifestantes também usaram guarda-chuvas, tanto para se proteger quanto em uma referência ao “Movimento dos Guarda-Chuvas”, mobilização que, em 2014, exigia que a eleição do chefe executivo de Hong Kong acontecesse por eleição direta. Pequim não deixou a alteração passar.

Ainda no sábado (15), a líder afirmou que o governo irá reativar a comunicação com a sociedade e ouvir diferentes opiniões.

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores da China disse apoiar a decisão de Hong Kong e a qualificou como tentativa de “escutar mais” as opiniões sobre o projeto de lei e de “reestabelecer a calma” no território.

O governo britânico parabenizou sua ex-colônia pela decisão. “Muito bem, governo de Hong Kong, por ter dado atenção aos bravos cidadãos que defenderam seus direitos humanos”, afirmou o chanceler britânico, Jeremy Hunt. 

O texto da proposta da lei de extradição provocou críticas de países ocidentais, bem como o clamor de alguns em Hong Kong, que temem julgamentos politizados na China e afirmam acreditar que essa reforma prejudicará a imagem internacional e a atratividade do território semiautônomo. 

Segundo o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, o presidente Donald Trump pretende falar sobre as manifestações com o dirigente chinês Xi Jinping durante a cúpula do G20 no final de junho, no Japão.

"O presidente é sempre um forte defensor dos direitos humanos", disse Pompeo ao canal americano Fox News. "Tenho certeza de que a questão será abordada", acrescentou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.