Notre-Dame celebra primeira missa depois de incêndio

Por motivo de segurança, a cerimônia não foi aberta ao público

Paris | AFP

O arcebispo de Paris, Michel Aupetit, celebrou na tarde deste sábado (15) a primeira missa na Catedral de Notre-Dame, em Paris, desde o incêndio que a destruiu parcialmente há dois meses. 

De acordo com a diocese de Paris, a cerimônia não foi aberta ao público por razões de segurança, mas foi transmitida ao vivo por uma emissora francesa. Quem compareceu ao evento teve de usar capacete de segurança devido às obras de restauração no local.

Cerca de 30 pessoas, a metade delas sacerdotes, assistiram à missa de uma hora, que começou às 18h locais (13h de Brasília) na capela localizada atrás do coro, um lugar onde a segurança está garantida.

O incêndio da catedral, patrimônio mundial da Unesco, em 15 de abril, consumiu o telhado da construção na capital francesa. Imagens divulgadas um mês após a tragédia mostravam o interior da igreja com redes de proteção, andaimes e máquinas para a retirada de destroços.

No início de maio, a Assembleia Nacional (equivalente à Câmara dos Deputados no Brasil) aprovou um projeto de lei que fixa o prazo de cinco anos para a conclusão da obra —como havia dito querer o presidente francês, Emmanuel Macron, logo após o incidente. Assim, o novo templo seria entregue a tempo das Olimpíadas de Paris, que começam no fim de julho de 2024.

Outro aspecto sobre Notre-Dame envolve o quão nova ela deve ser. Macron afirmou ser partidário de um “gesto arquitetônico contemporâneo” para repensar a “flecha”, uma torre fina e pontiaguda que culminava a mais de 90 metros do chão e desapareceu na noite de 15 de abril.

O governo logo anunciou o lançamento de um concurso internacional de projetos. Mas um bloco ruidoso de deputados e de arquitetos bate o pé para que o prédio seja reconstruído exatamente como era —além da flecha, a área destruída incluía um “esqueleto” de 1.300 vigas de carvalho que sustentava o telhado de chumbo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.