Política externa do Brasil tem que ser pragmática, diz Heleno sobre Irã

Na véspera da cúpula do G20, ministro-chefe do GSI afirma que agenda externa 'não tem ideologia'

Osaka

O ministro Augusto Heleno, do GSI, defendeu que o Brasil tenha política pragmática ao ser questionado sobre a postura do país em relação ao Irã.

“A política externa do Brasil tem que ser pragmática. Não tem ideologia não”, disse em Osaka, na véspera do início do encontro do G20.

Nesta quinta (26), em entrevista à Folha, o embaixador do Irã no Brasil, Seyed Ali Saghaeyan, disse que “construir uma relação forte e amigável entre países leva tempo e precisa de muito investimento".

"Mas é possível destruir essa relação muito fácil e rapidamente”, afirmou, em referência à aproximação do Brasil a inimigos geopolíticos dos iranianos, como os EUA, que acabam de impor mais sanções contra o país persa, e Israel. 

O país persa vive uma sequência de tensões com os americanos desde o ataque a dois petroleiros no golfo de Omã, no início de junho.

O ministro Augusto Heleno - Adriano Machado/Reuters

Durante a reunião de cúpula, Bolsonaro terá encontros bilaterais com o americano Donald Trump e com o príncipe herdeiro saudita Mohamed bin Salman

O presidente brasileiro desembarcou nesta quinta (27) em Osaka para sua primeira participação na reunião da qual participam líderes das 20 maiores economias. Ele deve apresentar um país que quer abrir sua economia “sem viés ideológico”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.