Provas sugerem que príncipe saudita é responsável por morte de jornalista, diz ONU

Jamal Khashoggi foi visto pela última vez ao entrar no consulado da Arábia Saudita em Istambul

Genebra | Reuters

Evidências sugerem que o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohamed bin Salman, é um dos responsáveis ​pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, informou nesta quarta-feira (19) a relatora especial das Nações Unidas para execuções extrajudiciais, Agnes Callamard. 

"A investigação de direitos humanos mostrou que há evidências suficientes a respeito da responsabilidade do príncipe herdeiro", disse Callamard, que pediu ao secretário-geral da ONU, António Guterres, que abra uma investigação internacional sobre o caso.

Segundo ela, outros oficiais do alto escalão do governo saudita também estariam envolvidos no crime.

Callamard foi à Turquia no início deste ano com uma equipe de peritos e afirmou ter recebido provas das autoridades turcas. Ela ficou seis meses investigando o caso.

Foto de arquivo de 2014 mostra o jornalista saudita Jamal Khashoggi - Mohammed Al-Shaikh/AFP

​Khashoggi, jornalista saudita crítico do príncipe, foi visto pela última vez ao entrar no consulado de seu país em Istambul, no dia 2 de outubro de 2018.

Ele tinha ido ao local para cuidar da documentação de seu casamento com sua noiva, a turca Hatice Cengiz, mas nunca saiu de lá.

Quase três semanas mais tarde, a televisão estatal turca noticiou que Khashoggi havia sido morto em uma operação comandada por um oficial saudita. No final de novembro, o procurador-geral da Arábia Saudita confirmou que a morte do jornalista foi premeditada —ele teria recebido uma injeção letal. 

À época, o procurador saudita disse que seu corpo havia sido esquartejado e retirado do consulado. Seu corpo nunca foi encontrado.

Em reação ao relatório, o vice-ministro saudita das Relações Exteriores, Adel al-Jubeir, chamou as acusações de "infundadas".

"Não tem nada de novo. O relatório repete o que já se disse e o que foi 'vendido' pelos meios de comunicação", publicou Al-Jubeir em uma rede social, acrescentando que "o relatório contém contradições e acusações infundadas, o que põe sua credibilidade em xeque".

Segundo a CIA, agência americana de inteligência, o crime foi ordenado pelo príncipe para calar o jornalista, crítico do regime.

Nascido em 1958, Jamal Khashoggi foi criado junto à elite do país, e por isso tinha acesso privilegiado à família real. 

Mas, desde o início dos anos 2000, o jornalista passou a criticar governo saudita, incluindo opiniões sobre políticas religiosas do regime.

Khashoggi foi editor-chefe dos jornais sauditas Al Madina (década de 1990) e Al-Watan (início dos anos 2000). Mais tarde, colaborou com os canais de televisão BBC, Al Jazeera e Dubai TV. A partir de 2015, ele se autoexilou nos Estados Unidos, onde passou a escrever uma coluna para o jornal The Washington Post. 

Neste ano, foi agraciado postumamente com o prêmio de liberdade de imprensa Golden Pen of Freedom.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.