Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

'Estamos alinhados à política dos EUA', diz Bolsonaro sobre navios iranianos

Devido a sanções americanas, Petrobras não fornece combustíveis para cargueiros do Irã

Gustavo Uribe
Brasília e São Paulo

O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo (21) que o Brasil está alinhado à política dos EUA de sanção econômica contra o Irã, ao comentar o caso de navios iranianos atracados no porto de Paranaguá (PR) por falta de combustível para seguir viagem. 

“Sabe que nós estamos alinhados à política deles. Então, fazemos o que tem de fazer”, disse o presidente —que afirmou, no entanto, não ter conversado com os EUA sobre sanções impostas ao Irã . 

“Existe esse problema, os EUA, de forma unilateral, têm embargos levantados contra o Irã. As empresas brasileiras foram avisadas por nós desse problema e estão correndo risco nesse sentido”, havia dito Bolsonaro na sexta. “Eu, particularmente, estou me aproximando cada vez mais do [presidente dos EUA, Donald] Trump.” 

O navio iraniano Bavand, ancorado no porto de Paranaguá (PR) - Heuler Andrey -19.jul.19/AFP

Os EUA ampliaram suas sanções contra o Irã neste ano, visando atingir o setor petrolífero do país. Na sexta (19), a Petrobras confirmou que não forneceu combustíveis para navios iranianos carregados com milhos no porto, por temer represálias ao violar as regras americanas.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, opinou pela suspensão da decisão liminar que obrigaria a Petrobras a fornecer combustível a outro navio, com carregamento de ureia, conforme manifestação enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF), instância na qual o caso deve ser decidido.

Para a PGR, a Eleva Química, responsável pelas cargas, “não provou ter direito subjetivo de comprar o combustível da Petrobras”, destacando a existência de alternativas para adquirir o produto de outros fornecedores.

Neste domingo, a Eleva reafirmou em nota que os navios “têm carga exclusivamente de milho e, como prevê a própria legislação norte-americana, alimentos e remédios não podem sofrer sanções, pois são ‘exceção humanitária’”.

“Além disso, o fornecimento de combustível seria para uma empresa brasileira de exportação que não está sujeita a qualquer sanção dos EUA.”

Os iranianos são os maiores importadores de milho do Brasil e também estão entre os principais compradores de soja e carne bovina. 

Embora alimentos não sejam o foco das sanções dos EUA, o caso levanta preocupações sobre as exportações do agronegócio ao país persa.

O navio Bavand já carregou cerca de 50 mil toneladas de milho, em maio, no porto de Imbituba (SC), enquanto o Termeh deveria chegar em meados de julho ao local para carregar 66 mil toneladas do cereal, segundo informações de agentes do setor portuário.

Um outro navio iraniano, o Daryabar, carregou milho em Imbituba em junho e partiu, segundo documento de agência marítima que aponta também que outra embarcação do Irã sancionada, a Ganj, deve carregar o produto em agosto.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.