Descrição de chapéu The New York Times

EUA creem que Hamza bin Laden, filho do terrorista da Al Qaeda, tenha sido morto

Detalhes da morte de herdeiro de Osama em operação americana são escassos

Washington | The New York Times

Hamza bin Laden, filho de Osama bin Laden e visto como herdeiro do pai na liderança da rede terrorista Al Qaeda, está morto, afirmaram nesta quarta-feira (31) autoridades americanas. As fontes falaram sob condição de anonimato devido à sensibilidade das informações de inteligência.

São escassos os detalhes sobre o ataque que matou Hamza, que em inúmeras ocasiões ameaçou atacar os EUA. Não foram divulgados data e local da operação, da qual o governo dos EUA participou, embora não tenha sido revelado de que maneira. 

Hamza foi morto em algum momento dos dois primeiros anos do governo de Donald Trump, afirmaram essas autoridades. A morte ocorreu antes mesmo de o Departamento de Estado anunciar uma recompensa de US$ 1 milhão por informações sobre seu paradeiro, em fevereiro. 

Imagem retirada de vídeo de casamento do filho do ex-líder da Al-Qaeda Osama bin Laden, Hamza bin Laden, em 2017 - Federation for Defense of Democracies

Apesar da proeminência do nome e da linhagem de Hamza, a notícia de sua morte representa mais uma vitória simbólica para o governo Trump do que a remoção de uma ameaça real. A Al Qaeda não realiza um ataque de larga escala há anos, e, embora Hamza tenha sido preparado para assumir a liderança do grupo, isso parecia ser algo para o futuro. 

Depois da morte de Osama bin Laden na operação em Abbottabad, no Paquistão, em 2011, dois de seus principais aliados começaram a preparar Hamza para assumir um papel de liderança. Ele se casou com a filha de um desses auxiliares e prometeu vingar a morte do pai. 

Em agosto de 2015, Hamza foi apresentado como um “jovem leão para levar adiante a casa”. As mensagens regulares de Hamza deixaram de ser distribuídas pela Al Qaeda há meses, embora um artigo atribuído a ele tenha sido publicado em maio. 

Hamza provavelmente estava operando na fronteira entre o Paquistão e o Afeganistão, afirmou Thomas Joscelyn, da Fundação para a Defesa das Democracias. Embora Joscelyn duvidasse que Hamza fosse assumir a liderança da Al Qaeda, acredita que ele tivesse um papel importante, tanto por sua ligação com o Taleban quanto como porta-voz. 

“Eles estavam desenvolvendo Hamza para ser potencialmente o número 1, um dia; ele não era visto como herdeiro hoje”, afirmou Joscelyn.

Trump foi questionado sobre as especulações da morte, mas não quis comentar. 

A localização de Hamza vinha sendo objeto de discussão pública. Após o 11 de Setembro, ele e outros membros da Al Qaeda fugiram para o Irã, onde foram detidos.

Mais tarde, ele teve autorização para deixar o país e teria se mudado com a família para a região da fronteira paquistanesa. Em algum momento, ele viajou para a Síria. 

A CIA devastou a Al Qaeda, alvejando seus operativos depois do 11 de Setembro. A agência de inteligência americana matou Saad, outro filho de Osama, em um ataque com drones em uma área remota do Paquistão, em 2009. Outro filho, Khalid, foi morto no ataque a Abottabad.

A CIA continua buscando Ayman al-Zawahri, que assumiu a liderança da Al Qaeda após a morte de Osama. Acredita-se que entre 2012 e 2013 ele estivesse em um vilarejo na região paquistanesa de Waziristão do Norte. Hamza parece ter trabalhado de perto com Zawahiri, especialmente na manutenção dos laços com o Taleban no Afeganistão. 

“Se ele de fato estiver morto, isso mostra que a liderança da Al Qaeda está mais débil, e sua ligação com Osama bin Laden, mais tênue”, afirmou Nicholas J. Rasmussen, ex-diretor do Centro Nacional de Contraterrorismo. 

“Isso prejudica a marca Al Qaeda”, afirmou Colin P. Clarke,  pesquisador do Soufan Center. “Mesmo que ele ainda não tivesse sido testado, seu nome ainda significa muito para jovens jihadistas.” 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.