Governo argentino responsabiliza empresa transmissora de energia por apagão

Segundo secretário, erro operacional desencadeou sucessão de falhas que gerou colapso em 16 de junho

Buenos Aires | AFP

Uma sucessão de falhas iniciada por um erro da transmissora de eletricidade Transener causou o apagão que afetou Argentina e Uruguai no dia 16 de junho, afirmou nesta quarta-feira (3) o secretário de Energia argentino, Gustavo Lopetegui. 

O governo de Mauricio Macri foi alvo de críticas pelo colapso. Desde que assumiu, em dezembro de 2015, as tarifas de energia, antes fortemente subsidiadas, subiram quase 1.000%.

O argumento do governo era de que a defasagem dos valores cobrados impedia que as empresas fizessem os investimentos necessários no serviço.

O governo atribuiu o apagão a uma “falha maciça” no sistema de transmissão entre Yacyretá, represa binacional na fronteira com o Paraguai, e Salto Grande. Essa falha provocou a desativação automática das usinas hidrelétricas, segundo a distribuidora Edesur. 

"O sistema elétrico argentino é robusto. Uma sucessão de falhas nos levou ao colapso", afirmou Lopetegui diante uma comissão do Senado que o inquiriu sobre o apagão. 

Segundo o secretário, um erro operacional da empresa encarregada do transporte elétrico de alta tensão por cerca de 18 mil km de linhas no país deu início a essa cadeia de falhas.

A transmissora Transener "não cumpriu o protocolo" de segurança estabelecido, gerando a primeira falha.

Por sua vez, as geradoras e distribuidoras de energia não reagiram a esse primeiro problema, o que acabou causando o apagão, que se estendeu por 14 horas, afirmou o secretário. 

"Esse erro operacional foi reconhecido pela empresa em seus informes", acrescentou.

O secretário disse que as conclusões fazem parte de um informe preliminar e que, em até 45 dias, um documento final permitirá estabelecer as penalidades a serem aplicadas pelo órgão regulador do setor, Enre.

Transener é uma empresa mista, com 50% do capital nas mãos da empresa privada Pampa Energia e 50% da estatal Ieasa. 

O apagão afetou 44 milhões de pessoas na Argentina e 3,4 milhões no Uruguai. Cortes de energia isolados também foram verificados no Paraguai. 

Os dois países compartilham um sistema interconectado de energia elétrica, centralizado na usina binacional de Salto Grande, a cerca de 450 km de Buenos Aires.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.