Irã ameaça apreender petroleiro britânico em retaliação

Na quinta, Marinha Real britânica capturou navio iraniano que levaria petróleo para a Síria

Londres e Dubai | Reuters

O Irã ameaçou apreender um navio do Reino Unido nesta sexta-feira (5) depois que a Marinha Real britânica capturou um petroleiro iraniano em Gibraltar.

"Se o Reino Unido não liberar o navio petroleiro iraniano, é tarefa das autoridades apreender um navio petroleiro britânico", disse Mohsen Rezai, membro do conselho que assessora o aiatolá Khamenei e comandante da Guarda Revolucionária, em uma rede social.

Foto divulgada pelo Ministério da Defesa britânico mostra membros da Marinha Real apreendendo petroleiro Grace 1 em Gibraltar - Ministério da Defesa - 4.jul.19/AFP

Nesta sexta, Gibraltar obteve permissão para estender a detenção do Grace 1 por 14 dias, devido a suspeitas de violação de sanções da União Europeia ao enviar petróleo para a Síria.

O governo de Gibraltar disse que os tripulantes do petroleiro estão sendo entrevistados como testemunhas, e não como suspeitos de crime, na tentativa de estabelecer a natureza de sua carga e seu destino final.

Na quinta-feira, os membros da Marinha Real desceram de corda no navio situado no litoral do território britânico e o apreenderam. Eles pousaram um helicóptero na embarcação em movimento, na escuridão total.

Teerã convocou o embaixador britânico na quinta para expressar "sua objeção muito forte à apreensão ilegal e inaceitável" de seu navio.

Foto divulgada pelo Ministério da Defesa britânico mostra membro da Marinha Real em petroleiro iraniano - Ministério da Defesa - 4.jul.19/AFP

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Abbas Mousavi, disse que o carregamento de petróleo cru é de seu país. Segundo os documentos do navio, o petróleo é do vizinho Iraque, mas dados de monitoramento indicam que ele foi carregado em um porto iraniano.

Países europeus estão na corda bamba desde o ano passado, quando os EUA ignoraram seus apelos e deixaram o pacto entre Irã e potências mundiais. O acordo dá a Teerã acesso ao comércio global em troca de limitações em seu programa nuclear.

Nos últimos dois meses, Washington endureceu as sanções contra Teerã visando interromper totalmente suas exportações de petróleo. Isso praticamente interditou os principais mercados ao Irã e o forçou a encontrar maneiras heterodoxas para vender petróleo cru.

Ainda na quinta-feira, Gibraltar disse ter razões consideráveis para acreditar que o Grace 1 estava transportando petróleo cru para a refinaria de Baniyas, na Síria, mas não mencionou a propriedade da embarcação ou a origem da carga.

Especialistas em navegação dizem que ele pode ter tentado evitar a rota mais direta pelo Canal de Suez, onde um grande petroleiro,  para passar, normalmente seria instruído a descarregar parte de sua carga em um oleoduto, o que poderia expô-lo a uma apreensão.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.