Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

'Pretendo beneficiar um filho meu, sim', diz Bolsonaro sobre Eduardo

Em live, presidente disse que não pode fazer nada se perder votos por indicação

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro rebateu na noite desta quinta-feira (18) as críticas de eleitores à indicação de seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o cargo de embaixador nos Estados Unidos.

Em transmissão ao vivo nas redes sociais, ele disse que pretende beneficiar seu filho e que não pode fazer nada se as pessoas deixarem de votar nele pela indicação.

O presidente Jair Bolsonaro discusa em solenidade que marca 200 dias de governo, no Palácio do Planalto
O presidente Jair Bolsonaro discusa em solenidade que marca 200 dias de governo, no Palácio do Planalto - Pedro Ladeira/Folhapress

"Lógico que é filho meu. Pretendo beneficiar um filho meu, sim. Pretendo, está certo. Se puder dar um filé mignon ao meu filho, eu dou. Mas não tem nada a ver com filé mignon essa história aí. É aprofundar um relacionamento com um país que é a maior potência econômica e militar do mundo", disse.

Bolsonaro disse ainda que não entende o que chamou de "crítica pela crítica", porque não considera que o deputado federal será premiado caso aprovado para o posto diplomático.

"Pretendo encaminhá-lo, sim. Quem diz que não vai votar mais em mim, paciência", ressaltou. "Em algumas coisas vou desagradar a vocês", acrescentou.

O presidente afirmou que seu filho é preparado para a função e que se fosse uma pessoa sem princípios, indicaria Eduardo para um ministério com um grande orçamento. 

"Eu vou defender meu filho. Ah, o cara é fritador de hambúrguer. Além de fritar hambúrguer, ele entregou pizza também, pode colocar ai na matéria", ressaltou.

Mais cedo, em cerimônia no Palácio do Planalto, Bolsonaro deu como garantida a aprovação do parlamentar pela Comissão de Relações Exteriores do Senado.

Em defesa do filho, ele citou que, se o nome não fosse aprovado, poderia inclusive indicar o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, para a embaixada nos Estados Unidos e colocar Eduardo no ministério.

O porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros, afirmou na terça-feira (16) que o Palácio do Itamaraty já tem pronta uma minuta do documento pelo qual o governo dos Estados Unidos será consultado sobre a indicação. 

Em outra frente, o Palácio do Planalto também negocia a aprovação do nome de Eduardo pelo Legislativo.

Bolsonaro já tratou do assunto com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Pelas contas feitas pelo governo, hoje Eduardo teria um placar apertado na Comissão de Relações Exteriores: apoio de 8 dos 17 integrantes do colegiado.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.