'Republicanos vão nos chamar de socialistas loucos de qualquer jeito', diz democrata em debate

Veja destaques do encontro entre dez nomes que disputam o direito de enfrentar Trump em 2020

Detroit, Washington e São Paulo | Reuters

Os dois principais pré-candidatos progressistas do Partido Democrata foram criticados por rivais mais moderados no debate realizado na noite de terça-feira (30). Suas propostas foram consideradas uma lista de desejos impossíveis e que poderia favorecer o presidente republicano Donald Trump na eleição de 2020. 

Os senadores americanos Elizabeth Warren e Bernie Sanders, estiveram lado a lado na primeira noite do segundo debate presidencial democrata, enquanto se defendiam das críticas dos rivais mais moderados que disputavam a indicação do partido para a candidatura presidencial.

O pré-candidato Pete Buttigieg, durante debate em Detroit - Brendan Smialowski - 30.jul.2019/AFP

Warren e Sanders revidaram e atuaram em conjunto, dizendo que os rivais adotaram o manual do Partido Republicano ao criticar políticas progressistas e que estão cansados ​​de ouvir que os democratas se esquivam de grandes ideias.

Abaixo, alguns momentos-chave do debate:

Saúde para todos

A primeira pergunta foi para Sanders. O mediador citou o ex-deputado John Delaney dizendo que o plano do senador de oferecer planos de saúde para todos era impraticável e seria um suicídio político que fará com que Trump seja reeleito. "O que você diria ao congressista Delaney?"

"Você está errado!", respondeu Sanders. Ele disse que os cidadãos da classe média podem pagar mais em impostos, mas economizarão ao não precisar ter um seguro privado e, portanto, gastarão menos dinheiro. 

"A saúde é um direito humano, não um privilégio", disse Sanders.

Delaney havia dito que pode existir um sistema público de saúde que garanta o atendimento básico, sem que se elimine os planos privados. "Nós não temos que sair por aí e dizer para a metade do país que tem plano de saúde privado que o seu seguro saúde é ilegal", disse. 

"Não estamos tentando tirar a saúde de ninguém. Isso é o que os republicanos estão tentando fazer", disse Warren, ao final desta etapa.

'Socialistas loucos'

Pete Buttigieg, prefeito de South Bend, no estado de Indiana, disse que é hora de parar de se preocupar com o que os republicanos vão dizer. 

"Se adotarmos uma agenda de extrema esquerda, eles dirão que somos um bando de socialistas loucos. Se adotarmos uma agenda conservadora, você sabe o que vão fazer? Eles vão dizer que somos um bando de socialistas loucos. Então, vamos defender a política certa e sair por aí e defendê-la", disse Buttigieg, que recebeu aplausos. 

Os democratas fizeram do acesso aos planos de saúde uma de suas questões principais. A administração Trump trabalhou para desmantelar o projeto de Barack Obama, aprovado em 2010, que ampliou o acesso de americanos mais pobres a planos de saúde e ficou conhecido como "Obamacare". 

Imigração 

O governador de Montana, Steve Bullock, desafiou Warren por sua proposta de descriminalizar a travessia de imigrantes sem documentos na fronteira com o México, outro tema sensível desta eleição. 

Bullock disse que os Estados Unidos podem ter uma abordagem humana à imigração. 

"O maior problema que temos agora com a imigração é Donald Trump. Ele está usando a imigração não apenas para separar famílias, mas também destruir o país", disse. "Você não precisa descriminalizar tudo."

Warren disse que Trump e as leis existentes são o problema. Ela defendeu a ampliação dos meios de imigração legais e uma solução para a crise na fronteira que não demonize os estrangeiros.

"Precisamos resolver a crise na fronteira, e uma grande parte de como fazer isso é não deixar [o tema] nas mãos de Donald Trump", disse.

"Mas você está jogando nas mãos de Donald Trump", respondeu Bullock. "Um sistema de imigração saudável precisa de um líder saudável. E podemos fazer isso sem descriminalizar [a imigração] e fornecer assistência médica para todos". 

O debate entre os democratas foi dividido em duas partes, devido ao excesso de pré-candidatos. Dos 25 nomes, foram convidados os 20 que arrecadaram mais doações e somam maior pontuação nas pesquisas. 

Dez deles compareceram ao primeiro encontro, e outros dez irão debater na noite de quarta-feira (31), incluindo Joe Biden, ex-vice de Obama que lidera as pesquisas, e Bill de Blasio, prefeito de Nova York.


O CAMINHO ATÉ A CASA BRANCA

jun. e jul.2019
Dois primeiros debates na TV. Para participar, cada candidato deve atingir ao menos 65 mil doadores individuais ou 1% nas pesquisas

ago. e set.2019
Mais dois debates. Requisitos sobem: será necessário somar 130 mil doadores únicos ou 2% nas pesquisas

out. a dez.2019
Mais três debates previstos, com regras a serem anunciadas

fev a jun.2020
Votações das primárias nos estados

13 a 16.Jul.2020
Convenção democrata, que confirmará o candidato do partido 

24 a 27.ago.2020
Convenção republicana, que deve aclamar Trump como candidato à reeleição

set. a nov.2020
Campanha e debates entre os dois candidatos finais

3.nov.2020
Dia da eleição

20.jan.2021
Posse do novo presidente

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.