Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Candidato opositor na Argentina defende Lula e chama Bolsonaro de racista e misógino

Em programa de TV, Alberto Fernández respondeu às críticas feitas pelo presidente brasileiro

Sylvia Colombo
Buenos Aires

Um dia após sair vencedor das eleições primárias, o candidato de oposição à Presidência da Argentina Alberto Fernández respondeu nesta segunda-feira (12) às críticas feitas contra ele pelo presidente Jair Bolsonaro e chamou o brasileiro de racista e misógino.

Fernández, que tem como vice em sua chapa a ex-mandatária Cristina Kirchner, surpreendeu ao vencer a disputa primária com 47% dos votos, uma vantagem de 15 pontos sobre o segundo colocado, o atual presidente do país, Mauricio Macri, que tem apoio declarado de Bolsonaro. 

Em entrevista ao programa de TV argentino Corea del Centro, o oposicionista disse que o presidente brasileiro é um "um racista, um misógino e um violento que é a favor da tortura". E acrescentou: "que alguém assim fale mal de mim é algo que eu celebro".

O argentino defendeu ainda o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva e afirmou que gostaria de dizer a Bolsonaro que "Lula deveria estar livre para poder concorrer a uma eleição com ele".

Fernández também citou o ministro da Justiça, Sergio Moro: "Como posso acreditar na sentença de um juiz que depois vira ministro do candidato que era rival de Lula?".

O argentino visitou no início da julho o ex-presidente brasileiro na prisão em Curitiba. O petista é um aliado histórico dos kirchneristas. 

As chamadas "paso" (primárias abertas, simultâneas e obrigatórias) foram criadas em 2009, com a intenção de diminuir o número de candidaturas que concorriam na eleição.

As chapas que obtêm menos de 1,5% dos votos nessa etapa não podem concorrer no primeiro turno, marcado para 27 de outubro. Já o segundo turno, se necessário, será em 24 de novembro.


Leia mais:

Bolsonaro diz que RS pode virar Roraima se 'esquerdalha' vencer na Argentina

Irritado e com olhos marejados, Macri diz que 'kirchnerismo não tem credibilidade'

Kirchneristas vão à loucura com lavada em Macri nas primárias argentinas


As primárias funcionam, assim, como uma prévia, mostrando quanto de apoio cada candidato tem. Caso os números se repitam na eleição de fato, no fim de outubro, Fernández seria eleito em primeiro turno —para isso, ele precisa ter mais de 45% dos votos ou mais de 40% e no mínimo 10 pontos percentuais de vantagem para o segundo colocado.

Mais cedo, Bolsonaro (PSL) tinha lamentado a vitória da oposição nas primárias argentinas e afirmado que o Rio Grande do Sul pode se transformar em Roraima caso Cristina Kirchner, vice na chapa liderada por Alberto Fernadéz, volte ao poder, comparando a Venezuela de Maduro à Argentina.

"Não esqueçam que, mais ao Sul, na Argentina, o que aconteceu nas eleições de ontem. A turma da Cristina Kirchner, que é a mesma de Dilma Rousseff, que é a mesma de Hugo Chávez, de Fidel Castro, deram sinal de vida aqui. Povo gaúcho, se essa esquerdalha voltar aqui na Argentina, nós poderemos ter no Rio Grande do Sul um novo estado de Roraima", disse ao público de convidados e de apoiadores. 

"Vocês [gaúchos] podem correr o risco de, ao ter uma catástrofe econômica lá, como teve na Venezuela, ter uma invasão da Argentina aqui. Não queremos isso para nossos irmãos", afirmou, ao ser questionado por jornalistas ao final de um evento em Pelotas (RS).

Roraima vem recebendo número crescente de venezuelanos que fogem do país em função da crise econômica, que se arrasta desde 2015 e não dá sinais de arrefecimento. Existem mais de 30 mil cidadãos do país vizinho vivendo em Roraima, um estado de 576 mil habitantes, de acordo com o IBGE. O governo diz que o estado abriga ao menos 40 mil venezuelanos.  

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.