Crise provocada por Odebrecht e fujimorismo tornaram Peru ingovernável

Para especialista, proposta de redução de mandato é 'saída nobre' de presidente

Buenos Aires

“É a primeira vez que um presidente peruano busca uma saída nobre para uma situação quase impossível. Além disso, será uma saída que lhe proporcionará grande credibilidade.”

Assim qualificou Steven Levitsky, professor de Harvard e especialista em Peru, a decisão do presidente Martín Vizcarra de propor ao Congresso um adiantamento das eleições presidenciais e legislativas para 2020, encurtando ambos os mandatos em um ano.

Vizcarra, que assumiu o comando do país após a renúncia de Pedro Pablo Kuczynski (PPK) em março de 2018, pressionado por uma moção de vacância (equivalente a um impeachment) por seu envolvimento com o escândalo da Lava Jato, enfrenta dificuldades em governar com uma minoria de menos de dez parlamentares no Congresso. 

Acompanhado da mulher, Maribel Cabello, o presidente do Peru, Martín Vizcarra, anda até o Congresso, em Lima - Presidência do Peru - 28.jul.19/Reuters

Ainda assim, sua popularidade está em torno dos 30%, o que, para Levitsky, “mostra que ele pode sair de maneira altiva, ao contrário da maioria dos presidentes peruanos que tradicionalmente terminam seus mandatos com popularidade baixa”.

As dificuldades de Vizcarra começaram logo após a eleição de PPK, de quem era vice. 
Com uma maioria avassaladora, o fujimorismo (oposição) pôs obstáculos a quase todos os projetos que ambos tentaram aprovar, além de promover o “impeachment” de vários ministros.

“PPK minimizou o problema que poderia ter com o fujimorismo, pensou que era possível se conciliar com ele e que tudo o que o bloco queria era a liberdade do ex-presidente Alberto Fujimori [então preso por corrupção e abusos de direitos humanos]. Mas mesmo depois do indulto dado por PPK, a situação continuou impossível”, diz Levitsky. 

O indulto acabou sendo revertido em janeiro. O objetivo real dos fujimoristas, segundo o estudioso, “era simplesmente derrubar o governo, e continuam tentando fazer isso agora com Vizcarra”.

Para o analista político Andrés Calderón, a estratégia escolhida por Vizcarra é a de “morrer matando”. “O presidente viu que com esse Congresso não iria conseguir governar no próximo ano.”

Para ele, Vizcarra pensou que o racha do fujimorismo —entre Keiko Fujimori, líder do Força Popular que forçou a renúncia de PPK, e Kenji Fujimori, que barganhou a liberdade do pai em troca de apoio a PPK— o favoreceria. Mas o racha entre os irmãos não durou muito, e o fujimorismo voltou a atrapalhar os planos do Executivo.

A proposta de Vizcarra foi recebida de modo desconfiado pelo Congresso. Ela terá de ser feita mediante emenda constitucional, com mais de dois terços dos votos.

Para Levitsky, porém, os congressistas não têm outra opção. “Quem está crescendo em popularidade é o presidente, e quem está caindo é o Congresso. Se eles não toparem, vão ficar muito mal diante da opinião pública.”

O Peru, junto ao Brasil, é o país mais abalado politicamente pelo escândalo da Lava Jato. São três ex-presidentes presos ou sendo processados (Alejandro Toledo, Ollanta Humala e PPK), um que se suicidou antes de ser detido (Alan García), mais Keiko Fujimori, líder do principal partido, presa pelo caso.

“O caso Odebrecht causou no Peru o desgaste de todas as grandes forças políticas, o que pede uma urgente renovação e uma reorganização de forças. Por isso o que Vizcarra pediu tem apelo junto à população. E as eleições são um caminho viável e menos traumático”, analisa Levitsky.

Curiosamente, o Peru é um dos poucos países da América Latina em que uma crise política não aparece vinculada a uma crise econômica. O país, que tem tido uma das melhores taxas médias de crescimento da região nos últimos anos, deve crescer 4% em 2019, segundo o FMI.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.