Imprensa massacrou meu filho, diz Bolsonaro sobre Eduardo nos EUA

Para o presidente, deputado tem competência para assumir embaixada em Washington

Danielle Brant
Brasília

Para o presidente Jair Bolsonaro (PSL), a imprensa “massacrou” seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), indicado pelo capitão reformado a embaixador do Brasil em Washington, mesmo após a chancela do líder americano Donald Trump.

Bolsonaro deu declarações ao deixar o Palácio da Alvorada em direção a um culto da igreja Fonte da Vida, em Brasília. A fala ocorreu em meio a críticas de reportagem do jornal O Globo. O diário mostrou que a família Bolsonaro nomeou 102 pessoas com laços familiares.

“Que mania que tudo quanto é parente de político não presta. Eu tenho um filho que está para ir para os EUA e foi elogiado pelo Trump. Vocês massacraram meu filho. A imprensa massacrou, fritador de hambúrguer”, disse.

Na terça-feira (30), Trump disse estar “muito feliz” com a indicação e que não considerar haver nepotismo.

“Eu acho o filho dele excelente. Ele é um jovem brilhante, maravilhoso. Estou muito feliz com a indicação, acho que é uma ótima indicação”, afirmou o chefe do governo dos EUA.

Para Bolsonaro, a indicação de Eduardo não é nepotismo, porque, em sua avaliação, o deputado federal “tem competência” para ocupar a embaixada do Brasil nos EUA. “Na relação do Eduardo, caso seja aprovado pelo Senado, no meu entender é muito boa para o Trump, o embaixador é um cartão de visita.”

O nome do deputado pode ser rejeitado em sabatina no Senado. Se isso acontecer, o presidente sugeriu que pode, no dia seguinte, demitir o ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e colocar Eduardo em seu lugar. “Ele não vai ser o embaixador, ele vai comandar, entre embaixadores e agregados, 200 mundo afora. E daí? Alguém vai tirar meu filho de lá? É hipocrisia.”

O presidente disse ter certeza de que alguns senadores vão votar a favor da indicação. “Eu vim de lá, eu me sinto um deputado ainda. Conheço um montão de senadores ainda. Tem uns que nem preciso falar. Tenho certeza de que vão votar. É uma casa política.”

O presidente criticou a reportagem do jornal O Globo. “Faz uma manchete que empreguei 102 com laços familiares. Eu não tenho 102 parentes. Como eu empreguei 102 parentes no gabinete dos meus filhos. Não dá para entender que tem uma mentira deslavada ali?”

Bolsonaro reconheceu já ter empregado parentes em seu gabinete, sem especificar quando isso ocorreu e qual o grau de parentesco. Segundo ele, isso ocorreu antes da súmula do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre nepotismo.

Ele acusou ainda a imprensa de atacá-lo há 30 anos. “Quando alguém vai embora do meu gabinete, alguém morre até, no velório, tem dez pedindo emprego. Tudo parente que está do meu lado. E é natural. Agora por que não fazem com os demais vereadores e deputados estaduais e federais, por que só em cima de mim?”

O presidente citou como exemplo o caso do ex-presidente da Câmara Severino Cavalcanti, “que tinha uma cacetada de parente com ele.”

“E tinha do outro lado, fugiu o nome do parlamentar, defendendo o fim do nepotismo. Agora o outro que estava defendendo o fim foi pego na Lava Jato. Não botou parente, mas estava metendo a mão na Petrobras. Não tem nada a ver parente.”

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.