Indonésia e Egito criam novas capitais para fugir de inundações e do trânsito

Governos querem reduzir inchaço de Jacarta e Cairo, que somam quase 10 mi de habitantes cada uma

São Paulo

Uma na floresta, outra no deserto. Indonésia e Egito escolheram lugares opostos para construir novas capitais. Apesar da diferença, ambos buscam objetivos similares. 

Jacarta e Cairo somam quase 10 milhões de habitantes cada uma. Reduzir esse inchaço é uma das razões para retirar delas o status de capital.

Para os governantes, a promessa é trocar trânsito caótico e poluição por um espaço verde, organizado e de cara moderna. 

Outras expectativas são de que as novas sedes, cujos nomes ainda não foram escolhidos, ajudem a mudar as imagens desses países no exterior e alavanquem a economia. 

Área na Ilha de Bornéu onde o presidente da Indonésia, Joko Widodo, anunciou que construirá a nova sede do país
Área na Ilha de Bornéu onde o presidente da Indonésia, Joko Widodo, anunciou que construirá a nova sede do país - 28.ago.19/AFP

Localizada a cerca de 40 km a leste do Cairo, a nova capital egípcia terá cerca de 700 km² (cerca de meia cidade de São Paulo), com espaço para 6,5 milhões de moradores. 

As obras foram iniciadas em 2018. A primeira fase, com cerca de 170 km², inclui ministérios, bairros residenciais, uma área para embaixadas e um distrito financeiro.

Uma mesquita, uma catedral e um hotel já foram erguidos. 

As obras geraram 250 mil empregos, e a expectativa do governo é de que sejam criados 2 milhões de postos de trabalho até o fim do projeto. 

“Esta fase será concluída em 2022. Sua taxa de implantação já alcançou cerca de 55%”, diz Omar El-Rifai, vice-chefe na Embaixada do Egito no Brasil.

A construção deverá custar ao menos US$ 60 bilhões (R$ 247 bilhões). “Esse custo não implica em ônus para o governo. O financiamento origina-se da venda de terrenos a investidores”, diz o diplomata.

A obra é tocada pelo Ministério do Interior e pela unidade de Engenharia do Exército. Cerca de 20% do dinheiro veio do exterior, sendo US$ 4,5 bilhões emprestados pela China.

O setor empresarial, em construção por uma estatal chinesa, terá 21 arranha-céus, incluindo um de 85 andares, que será o prédio mais alto da África. 

O pacote de obras também inclui um trem até o Cairo, um aeroporto, uma universidade e um museu de história. 

Ainda que a região seja desértica, as maquetes prometem vias repletas de verde. O governo pretende colocar ali novas tecnologias urbanas, como uma rede potente de fibra óptica, monitoramento detalhado do trânsito e gestão automatizada do consumo de água e energia. 

Haverá também uma central de segurança, com câmeras apontadas para 100% das áreas públicas. Toda essa vigilância em uma cidade construída sob comando do Exército gera temores de que a nova capital dificultará a realização de protestos contra o governo.

Se no Egito a nova capital será próxima ao Cairo, na Indonésia a saída de Jacarta está mais distante. O governo anunciou na semana passada que pretende construir sua nova sede em uma área de floresta na ilha de Bornéu, a cerca de 1.200 km.  

A previsão é de que a mudança ocorra em 2024, mas o plano depende de aprovação do Congresso. 

Além de lotada, Jacarta também corre risco de perder grandes áreas para o mar, devido ao aquecimento global. A cada ano, o nível da água avança entre 10 e 20 centímetros sobre seu território. 

O governo também diz que a mudança colocará a capital no centro do país, o que pode estimular o desenvolvimento de outras regiões.

A Indonésia é formada por cerca de 17 mil ilhas, mas 60% de sua população vive na ilha de Java, onde fica Jacarta. Estima-se que 1,5 milhão de funcionários devem se mudar para a nova sede. 

Uma das preocupações com a troca é de risco ambiental. A nova capital deve ocupar 180 mil hectares, em uma área onde há “uma vasta quantidade de florestas intactas”, segundo Nirarta Samadhi, diretor do instituto WRI Indonésia.

A mudança também terá impacto para povos nativos que vivem na região, como os Daykays.

“Eles têm sido vítimas constantes da degradação ambiental, e essa mudança irá destruir ainda mais seu espaço”, disse Joshua Castellino, diretor da MRGI (Grupo Internacional de Direitos das Minorias) à agência de notícias Reuters.

“O abandono de Jacarta devido à poluição e à superpopulação é difícil de apoiar, pois os mesmos problemas poderão surgir no novo local”, afirma Castellino.

“Não vamos afetar nenhuma floresta protegida. Em vez disso, vamos reabilitá-las”, disse Bambang Brodjonegoro, ministro do Planejamento, ao jornal South China Morning Post.

O Brasil transferiu seu comando do Rio de Janeiro para Brasília em 1960. O desenho urbano da cidade foi premiado como Patrimônio Cultural da Humanidade, mas gera críticas por dar protagonismo aos carros.

Outro ponto é que a ordem em Brasília contrasta com o desenvolvimento desordenado de seu entorno, onde há bolsões de pobreza. 

“Brasília ajudou a interiorizar o desenvolvimento do país”, diz André Roberto Martin, do Departamento de Geografia da USP. “Mas não é um polo cultural, e o Rio ainda é a cidade mais conhecida no exterior.”

A mudança abre o debate de como lidar com palácios e prédios que ficarão sem uso na cidade que perde o posto.

O Cairo, que possui construções do fim do século 19 e 20, corre o mesmo risco de ver parte de suas construções históricas serem deixadas para trás.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.