Mourão associa tremores de Merkel a medo de Donald Trump

Em evento no interior do RS, vice chamou americano de 'nosso presidente'

Paula Sperb
Porto Alegre

O vice-presidente, general Hamilton Mourão (PRTB), relacionou os recentes episódios de tremores em público da chanceler alemã, Angela Merkel, 65, a um suposto medo que ela tem do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump —a quem ele se referiu como “nosso presidente”.

Em um almoço para empresários na cidade gaúcha de Santa Cruz do Sul (120 km a oeste de Porto Alegre), na terça-feira (6), Mourão falou sobre política internacional ao tratar o que chama de desafios do mundo atual. 

O general mostrou em uma apresentação de PowerPoint a famosa foto da cúpula do G7 de 2018, que reuniu os líderes de algumas das principais potências do mundo. Na imagem, Merkel aparece de pé, com as mãos apoiadas em uma mesa, em frente a Trump, que está sentado e de braços cruzados. 

A chanceler alemã, Angela Merkel, fala para o presidente americano, Donald Trump, em encontro do G7 no Canadá, em 2018
A chanceler alemã, Angela Merkel, fala para o presidente americano, Donald Trump, em encontro do G7 no Canadá, em 2018 - Jesco Denzel/ Bundesregierung/Reuters

À época, a imagem foi entendida como um símbolo da atual relação entre os dois, com a alemã se comportando como uma adulta que dá uma bronca em uma criança teimosa (no caso, Trump). Os tremores de Merkel só começaram a ser vistos em público cerca de um ano depois da foto.

Porém, na palestra, Mourão fez uma interpretação oposta. Afirmou que os tremores seriam resultado da “encarada” de Trump. 

Com a foto projetada em um telão, o vice-presidente disse: “Esse é o retrato do concerto das nações, o retrato dos mais desenvolvidos. O nosso presidente, Donald Trump, dando uma encarada na Merkel".

"Acho que foi por isso que a Merkel começou a ter uns tremores de vez em quando. Observe aí a postura do japonês Abe, de braços cruzados, tipo assim ‘isso não vai dar certo’. É o mundo. Os líderes estão aí, cada um buscando o seu objetivo e nós temos que entender e buscar os nossos.” 

A alemã teve três episódios públicos de tremores entre junho e julho de 2019, criando suspeitas sobre seu estado de saúde. A imprensa local chegou a especular se ela poderia ter alguma doença, como Parkinson, ou se os temores eram causados por estresse.

Após muita especulação, a chanceler afirmou que tinha um problema de saúde que estava tratando e que isso não afetava sua capacidade de governar.

No mesmo dia, Mourão também cumpriu agenda em Porto Alegre, onde afirmou que o Brasil passa a adotar uma lista de venezuelanos ligados ao regime de Nicolás Maduro barrados de ingressar no país. 

"Nós, aqui no Brasil, estamos cumprindo, a partir de agora, o que estava acordado na reunião do Grupo de Lima de janeiro. Que todos os países têm de ter uma lista daqueles elementos do regime que estão enquadrados em crimes contra a humanidade e também na corrupção e roubo dos recursos do povo venezuelano", disse Mourão.

"O Chile e a Argentina já tinham essa lista de gente que não poderia entrar lá. Mas, agora, finalmente conseguimos concretizar a nossa. E essa turma não vai poder sair da Venezuela para vir para cá para o Brasil gastar o dinheiro que roubaram do povo venezuelano." 

A relação entre Brasília e Berlim tem passado por uma série de percalços desde que Bolsonaro foi eleito presidente, principalmente devido às críticas feitas por Merkel à política ambiental do brasileiro. 

Na terça (6), Bolsonaro voltou ao tema e ironizou a chanceler alemã o presidente francês, Emmanuel Macron.  "Imagina o prazer que eu tive de conversar com Macron e Angela Merkel", afirmou ele durante evento em São Paulo.   

Bolsonaro se reuniu com os dois líderes europeus na cúpula do G20, em junho, no Japão. À época, Macron, disse que poderia se recusar a assinar o acordo entre União Europeia e Mercosul se o governo brasileiro deixasse o acordo de Paris, que traz uma série de medidas contra a mudança climática. 

Já a chanceler alemã, na véspera do início da cúpula em Osaka, pediu para conversar com o presidente brasileiro sobre desmatamento, o que gerou forte reação de Bolsonaro e de membros do governo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.