Descrição de chapéu The Washington Post

Pai e mãe morreram ao proteger bebê em ataque a tiro em El Paso

Casal comprava material escolar para filha mais velha, que completava 6 anos naquele dia

The Washington Post

O casal tinha acabado de deixar sua filha mais velha no treino para "cheerleaders", e de lá foi para o Walmart, lotado de pais se preparando para a volta às aulas, como eles.

Jordan e Andre Anchondo entraram na loja carregando seu bebê de dois meses.

Era um dia movimentado para os Anchondo. A filha deles completava seis anos e haveria uma festa de aniversário, e por isso eles precisavam comprar enfeites.

Em poucas horas, parentes e amigos estariam visitando a casa nova do casal pela primeira vez, disse Tito Anchondo, o irmão de Andre, ao Washington Post.

​E aí começaram os tiros.

Andre Anchondo com o filho
Andre Anchondo com o filho, em foto de redes sociais - Facebook de Jordan Jamrowski/Reprodução

E em seguida o silêncio da parte de Andre e Jordan, que não respondiam a telefonemas.


Por fim, horas mais tarde, a ligação das autoridades que Tito Anchondo mais temia: um pedido de que fosse ao hospital.

Jordan, 24, e Andre, 23, estavam entre as 22 vítimas do homicídio em massa de sábado em um Walmart em El Paso. O filho bebê deles ficou órfão; os pais morreram para protegê-lo, a família disse ao jornal.

A morte de Jordan foi confirmada no sábado. Familiares confirmaram a morte de Andre no final da noite de domingo, depois de mais de 24 horas de espera para descobrir o que havia acontecido com ele.

Tito e outros membros da família dizem acreditar que Andre morreu tentando proteger a mulher contra os tiros.

Leta Jamrowski, irmã de Jordan, disse à agência de notícias Associated Press que, com base nos ferimentos do bebê, Jordan morreu tentando protegê-lo. "Ele sobreviveu porque ela deu sua vida", disse Jamrowski à agência.

Jordan estava com o bebê no colo quando morreu, disse Jamrowski. Ela caiu sobre ele ao desabar, causando algumas fraturas na criança, mas protegendo-a dos tiros, disse a irmã.

Elizabeth Terry, tia de Jordan, disse à rede de notícias CNN que quando o bebê "foi retirado debaixo do corpo dela, havia manchas de sangue da mãe no menino". O bebê, chamado Paul, sofreu apenas fraturas nos dedos, ela disse, e está se recuperando em casa.

"Como é que pais saem de casa para fazer compras escolares e terminam tendo que proteger seu bebê contra tiros?", questionou Terry.

No momento em que morreram, os dois jovens pais tinham muita coisa a esperar, o que incluía a festa de aniversário da filha.

Dias antes do ataque, Jordan e Andre celebraram seu primeiro aniversário de casamento, disse Tito. Nos últimos 12 meses, eles tiveram mais um filho, e Andre deixou a oficina mecânica de sua família para abrir um negócio próprio, Andre House of Granite and Stone. Ele construiu a casa da família sozinho, disse Tito.

Depois de algum tempo estagnado, as coisas enfim pareciam estar indo bem para seu irmão, o que Tito atribui ao seu amor por Jordan. Ela era dona de casa, cuidando do recém-nascido, de sua filha de um ano e da menina que estava para completar seis anos. As filhas de Jordan vinham de relacionamentos anteriores, segundo Tito.

"Ela era o sistema de apoio de meu irmão", disse Tito. "Quando ele conheceu Jordan, isso lhe deu ainda mais motivo para colocar sua vida nos trilhos. Ele colocou a vida em ordem."

O homicídio em massa em El Paso foi um dos dois ocorridos em apenas 13 horas, neste final de semana, nos Estados Unidos.

Um atirador atacou em Dayton, Ohio, matando nove pessoas, entre as quais a irmã dele, em 30 segundos de disparos em uma área de entretenimento, à 1h do domingo. O acusado pelo ataque, Connor Betts, 24, foi morto a tiros pelas autoridades.

 

Patrick Crusius, 21, o acusado pelo ataque em El Paso, foi preso e deve enfrentar pena de morte no estado; procuradores da justiça federal estudam mover acusações contra ele por crime de ódio.

John Bash, procurador da justiça federal americana no oeste do Texas, disse que o caso está sendo tratado como terrorismo doméstico. Um manifesto que as autoridades acreditam que Crusius tenha postado no fórum de internet 8chan inclui insultos a imigrantes latinos e queixas quanto a uma "invasão hispânica".

"Esse homem anglo-saxão veio aqui matar hispânicos", escreveu Richard Wiles, o xerife do condado de El Paso. "Estou indignado, e todos deveriam estar. O país inteiro deveria se indignar. Em nossa era, diante das questões sérias que enfrentamos, continuamos a ter de lidar com pessoas que matam por causa da cor da pele de alguém."

As famílias Anchondo e Jamrowski passaram o dia todo no sábado em luto por Jordan, mas na esperança de que os filhos do casal ainda tivessem Andre. Mas, quando chegaram ao hospital para identificar o corpo dela, disse Tito, ninguém sabia de Andre. Horas haviam se passado, e nenhuma informação sobre ele.

Por fim, na noite de domingo, Tito recebeu de novo a informação que mais temia.

Monique Terry, 21, prima de Jordan, disse ao jornal The Guardian que os filhos do casal —especialmente a menina de seis anos à espera de uma festa de aniversário— não compreendiam o acontecido. "A menina mais velha pergunta sem parar sobre a mãe e o pai", disse.

 

Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.