Rússia anuncia cessar-fogo e interrompe ataques aéreos em Idlib, na Síria

Trégua foi anunciada esta manhã; confrontos terrestres também foram interrompidos

Beirute | AFP

Os bombardeios aéreos em Idlib, província do noroeste da Síria sob controle rebelde e jihadista, foram interrompidos neste sábado após o cessar-fogo anunciado pela Rússia, país aliado do ditador sírio Bashar al-Assad.

“Não há aviões de guerra no céu, e os ataques aéreos cessaram”, afirmou Rami Abdel Rahman, diretor do Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Sírios desabrigados se reúnem na fronteira com a turquia, próxima a acidade de Atma, na província de Idlib, no dia 30 de agosto de 2019. Ataques em Idlib ocorreram pouco depois da Rússia, aliada ao regime de Damasco, anunciar o cessar-fogo. - Rami al SAYED /AFP

Depois do início do cessar-fogo unilateral declarado às 6h, no horário local, também foram interrompidos os confrontos terrestres entre o Exército sírio e os insurgentes na parte sul de Idlib, afirmou Rahman, que no entanto citou disparos de artilharia.

Na sexta (30), o Centro Russo para a Reconciliação na Síria anunciou um cessar-fogo unilateral das tropas sírias a partir da madrugada de sábado.

O Centro Russo pediu em um comunicado “aos comandantes dos grupos armados que renunciem às provocações e se unam ao processo de solução pacífica nas zonas que controlam”. “A trégua tem por objetivo estabilizar a situação”, completa a nota.

A agência estatal síria SANA anunciou neste sábado (31) que Damasco aceita o acordo, ainda que o Exército sírio tenha destacado que se “reserva o direito de reagir a violações” da trégua por parte dos jihadistas e dos grupos rebeldes.

Após vários meses de intensos bombardeios das forças aéreas russa e síria, os militares de Bashar al-Assad iniciaram em 8 de agosto uma ofensiva terrestre em Idlib, controlada pelo grupo jihadista Hayat Tahrir Al Sham (HTS, ex-braço sírio da Al-Qaeda).

Este é o esforço mais recente da Rússia para evitar o que a ONU descreve como um dos “maiores pesadelos humanitários” do conflito.

Poucas horas antes do início da trégua, um bombardeio russo atingiu um centro médico em Aleppo e deixou diversos feridos, segundo o OSDH.

“O número de ataques contra instalações médicas, de ensino e pontos de abastecimento de água é o maior no mundo”, declarou na sexta-feira Panos Moumtzis, diretor humanitário da ONU na Síria. “Isto é inaceitável”, completou.

Durante a semana, o Exército sírio conquistou novos territórios na região, ao assumir o controle da cidade estratégica de Khan Sheikhun, ao sul de Idlib. No momento, o regime de Bashar al-Assad controla quase 60% do país.

Desde o início, em 2011, a guerra na Síria já provocou mais de 370 mil mortes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.