Em 13 horas, EUA assistem à morte de 29 pessoas em ataques em Ohio e Texas

Atirador mata 9 pessoas e deixa outras 27 feridas em Dayton, horas depois de massacre em El Paso

São Paulo | Reuters

Treze horas separaram dois massacres em duas cidades diferentes dos EUA.

Mal os moradores de El Paso, no Texas, faziam vigílias em homenagem aos 20 mortos do ataque a tiros realizado no sábado (3), em um Walmart da cidade que faz fronteira com o México, uma nova chacina ocorria em Dayton, no estado de Ohio.

Numa ação que durou menos de um minuto, um atirador matou nove pessoas, entre elas sua irmã, Megan Betts, 22, e feriu outras 27 na madrugada deste domingo (4), no bairro de Oregon, área histórica da cidade onde há bares, restaurantes e galerias de arte.

De acordo com a prefeita de Dayton, a democrata Nan Whaley, um homem branco identificado como Connor Betts, 24, de Bellbrook, também no estado de Ohio, usava um colete à prova de balas e carregava um rifle potente e munição reserva. Ele atirou em pessoas com idades entre 22 e 57 anos que estavam na rua, em frente a um bar.

“Ele [o atirador] tentou entrar no bar, mas não conseguiu passar da porta”, disse James Wilson, que estava perto do local do ataque e publicou o relato em uma rede social. “Alguém tomou a arma dele e então ele foi baleado [pela polícia] e morreu.”

Entre as vítimas, quatro eram mulheres, e cinco, homens. Das nove pessoas mortas, seis eram negras.

Segundo o New York Times, a mãe de um recém-nascido e um funcionário de um centro de nutrição que cursava mestrado em tratamento de câncer na Universidade Saint Francis, na Pensilvânia, foram mortos.

Ainda segundo o New York Times, a irmã do atirador era descrita como uma pessoa “entusiasmada, cheia de energia”. 

O motivo do ataque não foi esclarecido, e a polícia acredita que Betts agiu sozinho.

De acordo com a polícia, o atirador e a irmã chegaram ao local no mesmo carro junto a uma terceira pessoa. Eles se separaram antes do ataque.

A arma usada foi comprada online, de forma legal, de uma loja no Texas e enviada a um revendedor local. O atirador não possuía nenhum antecedente que o impediria de adquirir armas. Seu histórico tinha pequenas infrações de trânsito.

Uma testemunha, Anthony Reynolds, disse que ouviu tiros que pareciam ter saído de uma arma pesada. “Só ‘bum bum bum bum bum’ rápido”, disse. “Eu diria que era uma arma grande. Você não teria isso de nenhuma pistola.”

As mortes em Ohio somam-se a outras 20 do ataque realizado em El Paso no dia anterior, totalizando 29 mortes e 53 feridos em menos de 24 horas.

O saldo é ainda maior se contabilizado o ataque a tiros em Gilroy, na Califórnia, no domingo anterior (28), quando um jovem de 19 anos invadiu um festival gastronômico, matou três pessoas e deixou outras 12 feridas.

Assim, em uma semana, os EUA assistiram à morte de 32 pessoas em ações que também deixaram 65 feridos. 

 

No Twitter, o presidente dos Estados Unidos, o republicano Donald Trump, classificou o ataque em Ohio como “um ato de covardia”. “Sei que estou junto a todos neste país para condenar o ato odioso de hoje. Não existem razões ou desculpas que justifiquem a morte de pessoas inocentes.” 

A cada ataque como os deste final de semana, os EUA retomam o debate sobre restringir a posse de armas, mas as propostas não conseguem avançar.

A medida mais citada é aumentar a checagem de antecedentes criminais de quem compra armas. Uma proposta nesse sentido segue travada no Senado, de maioria republicana.

No país, o lobby da bala, representado pela NRA (National Rifle Association, o lobby pró-armas americano), historicamente faz doações a congressistas –particularmente republicanos— para evitar regulações mais rígidas envolvendo a posse de armas.  

Grupos armamentistas dizem que a segunda emenda da Constituição dos EUA dá ao indivíduo direito de manter e de portar uma arma de fogo.

O número estimado de armas (registradas e ilegais) entre os cidadãos varia de 265 milhões a quase 400 milhões –a população americana soma cerca de 328 milhões de habitantes.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.