Tufão atinge leste da China e provoca 18 mortes

Tempestade Lekima chegou à província de Zhejiang na madrugada deste sábado

Pequim | Reuters

A chegada de um tufão provocou mortes no leste da China e obrigou moradores a deixarem suas casas, neste sábado (10). A tempestade Lekima também causa a interrupção de transportes.

As 18 mortes ocorreram a 130 km ao norte de Wenzho, na costa litorânea, onde uma represa natural colapsou e inundou a área com 160 milímetros de chuva em três horas, segundo a CCTV. O deslizamento também deixou ao menos 14 desaparecidos.

Mais de 1 milhão de pessoas foram retiradas de suas residências, de acordo com reportagem da CCTV. Na tarde deste sábado (horário local), a maioria dos voos previstos entre os dois maiores aeroportos de Xangai foi cancelada, segundo publicação nos sites da agência nacional de aviação.

A CMA (Administração Meteorológica Chinesa), agência que monitora o tempo no país, emitiu um alerta laranja, o segundo maior em gravidade, depois de publicar um alerta vermelho na sexta (9), quando a tempestade obrigou o cancelamento de voos em Taiwan e fechou o comércio na ilha. 

A tempestade movia-se a 15 km/h em direção ao norte, e sua força diminuía gradualmente, conforme a agência de notícias Xinhua. Ventos fortes e chuva pesada atingiram o distrito financeiro de Xangai no sábado à tarde, o que levou também ao fechamento do parque da Disney da província.

Quase 200 trens da cidade de Jinan, na província de Shandong, ficarão com a circulação suspensa até segunda-feira (12), ainda de acordo com a Xinhua. 

Mais de 250 mil moradores de Xangai e 800 mil da província de Zhejiang foram retirados de suas casas devido ao tufão, e 2,72 milhões de lares ficaram sem energia elétrica, devido aos ventos fortes e chuvas, que prejudicaram a fiação, de acordo com a mídia estatal. 

Cerca de 200 casas desabaram, em seis cidades diferentes de Zhejiang, e 66,3 mil hectares de fazendas foram destruídos, afirma a CCTV. 

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.