Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

70% dos brasileiros reprovam indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada, diz Datafolha

Ideia é criticada mesmo entre segmentos bolsonaristas, como evangélicos e moradores do Sul

Rafael Balago
São Paulo

O plano do presidente Jair Bolsonaro de indicar seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o cargo de embaixador em Washington é reprovado por 70% dos brasileiros, aponta pesquisa Datafolha.

Segundo o levantamento, apenas 23% consideram que o mandatário brasileiro está agindo bem ao indicar o filho.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no jardim da Casa Branca após encontro com Donald Trump
O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no jardim da Casa Branca após encontro com Donald Trump - Mandel Ngan - 30.ago.19/AFP

A indicação de Eduardo foi anunciada em julho, mas ainda não foi oficializada. O processo depende de aprovação no Senado, e o governo, com temor de não conseguir os votos necessários para a aprovação, postergou o início do processo. 

Para ser efetivado, o nome do indicado precisa ser apreciado pela Comissão de Relações Exteriores do Senado e aprovado no plenário da Casa por mais da metade dos parlamentares presentes. Não há data prevista para que as votações aconteçam.

Logo após anunciar o desejo de indicar o filho, Bolsonaro sofreu críticas, inclusive de parlamentares que apoiam o seu governo, levantando discussões jurídicas sobre a classificação do caso como nepotismo.

A ideia sofre alta rejeição em praticamente todos os estratos pesquisados, com exceção dos simpatizantes do PSL (64% de apoio) e entre os que classificam o governo Bolsonaro como ótimo/bom (54%).

A visão contrária à indicação é maior entre os jovens de 16 a 24 anos (74%), funcionários públicos (81%) e estudantes (78%).

A rejeição à ideia é menor entre pessoas com mais de 60 anos (26% acham que Bolsonaro está agindo bem), empresários (36%) e donas de casa (29%).

Entre as regiões do país, a ideia foi mais mal recebida no Nordeste (76% contra) e no Sudeste (71%). Tanto no Sul quanto no Norte e no Centro-oeste, 65% se opõem à nomeação.

Na divisão por partidos políticos, 89% dos simpatizantes do PT e 68% dos simpatizantes do PSDB reprovam a ideia. Entre aqueles que se identificam com o MDB, o percentual vai a 69%, mesmo índice daqueles que declaram não ter preferência por uma legenda. 

Entre os eleitores de Bolsonaro em 2018, 53% avaliam que o presidente agiu mal ao indicar o filho, e 40% acham que ele agiu bem. Já entre quem votou em Fernando Haddad (PT), 88% rejeitam a indicação e 9% a apoiam.

No recorte por religião, a proposta sofre mais críticas de ateus (95%) e espíritas (80%). Entre os evangélicos, 61% são contrários. Se considerarmos as subdivisões das denominações evangélicas, o estrato que mais apoia a ideia do presidente é o de neopetencostais (44%).

O percentual de 70% dos que desaprovam a ideia de indicar Eduardo ao posto é equivalente ao índice dos que avaliam de forma negativa as ações dos filhos de Bolsonaro para o governo.

Para 70%, os filhos do presidente mais atrapalham do que ajudam.

A pesquisa foi feita entre os dias 29 e 30 de agosto e ouviu 2.878 pessoas em 175 municípios de todo o país. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%. 

Na sexta (30), Eduardo viajou a Washington e se reuniu durante 30 minutos na Casa Branca com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Não houve anúncio de nenhuma medida após o encontro

A reunião, no entanto, mostrou o que Eduardo e Jair Bolsonaro queriam: acesso ao presidente americano.

O mandatário brasileiro havia ligado para Trump na semana passada em meio à crise internacional reverberada com as queimadas na Amazônia.

Em meio a pedidos que o americano impedisse o presidente francês, Emmanuel Macron, de capitalizar qualquer proposta de solução aos incêndios na floresta, começou a costurar a reunião em Washington.

Nesta terça-feira (3), Bolsonaro voltou a falar do encontro, dizendo que o mérito do acesso rápido ao presidente americano foi do filho.

“Com todo o respeito ao [chanceler] Ernesto [Araújo], o Eduardo esteve agora nos EUA, e o Trump está alinhado conosco”, afirmou. 

No final de julho, o presidente dos EUA disse que estava “muito feliz” com a indicação de Eduardo para a embaixada em Washington e que não considera que houve nepotismo. 

Eduardo foi o deputado federal mais votado do país na história. Ele teve 1.843.735 votos na eleição de 2018. 

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.