A um mês do pleito, Macri relança campanha por reeleição

Presidente argentino deve percorrer 30 cidades em 30 dias em última cartada para superar adversário peronista

São Paulo | AFP

A um mês das eleições presidenciais na Argentina, o presidente Mauricio Macri dá uma cartada final em busca de votos. Ele relançou neste sábado (28) a sua campanha, na tentativa de reverter a desvantagem que leva em relação a seu adversário, o peronista Alberto Fernández.

Macri reuniu uma multidão de apoiadores no bairro de classe média de Buenos Aires Barrancas de Belgrano, reduto histórico do seu partido. Foi o evento inaugural de uma turnê que vai percorrer 30 cidades em 30 dias, chamada de "Sí Se Puede".

Ele está em desvantagem nas pesquisas de intenção de voto: nas primárias de 11 de agosto, Fernández, que tem a ex-mandatária Cristina Kirchner como vice, o superou em 17 pontos, posicionando-se como favorito no pleito de 27 de outubro.

"Convidei-os hoje porque não nos resignamos", disse Macri diante dos milhares de apoiadores. "Nos une cuidar da democracia, nos une amar e querer viver em liberdade, nos une querer dar um futuro melhor a nossos filhos."

Ele estava acompanhado da primeira dama Juliana Awada e de seu primo Jorge Macri, entre outros dirigentes.

Enfrentando uma recessão de mais de um ano e uma inflação indomável, Macri afirmou ter ouvido a mensagem das pesquisas e disse que "o que vem é diferente, agora vem o crescimento, o trabalho, a melhoria salarial e o alívio do bolso, porque todos nós precisamos".

Antes do comício, o mandatário afirmou que "somos parte da solução, não do problema", e pediu por "um pouco mais de tempo para resolver os problemas econômicos".

O presidente diz que aspira concluir as reformas e ajustar as contas públicas deixadas, segundo ele, uma bagunça por sua antecessora peronista Cristina Kirchner (2007-2015).

Dentro do partido de Macri, cresce o medo de um retorno ao passado do protecionismo kirchnerista e destacam-se os dezenas de casos de suposta corrupção que pesam sobre a ex-presidente, que ela atribui a uma perseguição político-judicial.

Ao assumir o governo, em dezembro de 2015, Macri disse que uma inflação moderada seria "fácil de alcançar", prometeu "pobreza zero" e previu "uma chuva de investimento estrangeiro".

A inflação já acumulou 30% entre janeiro e agosto deste ano, após atingir 47,6% em 2018; os investimentos não chegaram, apesar do apoio político dos Estados Unidos e das potências europeias.

A pobreza afeta um em cada três argentinos e o desemprego atingiu seu ponto mais alto em 14 anos (10,6%). A moeda depreciou 68% desde janeiro de 2018.


Calendário eleitoral argentino

27.out (1º turno) Além do pleito presidencial, eleitores também irão votar para renovar metade da Câmara, um terço do Senado e a maior parte dos governos locais

​24.nov (2º turno) Ocorre apenas nas votações para presidente, governadores de província e prefeito de Buenos Aires 

Fontes: Constituição da Argentina e Ministério do Interior

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.