EUA não descartam encontro com presidente do Irã mesmo após ataque a Arábia Saudita

Rebeldes do Iêmen reivindicaram ataque a petrolífera saudita, deflagrando rusga entre Washington e Teerã

Teerã e Washington | AFP e Reuters

A Casa Branca não descartou, neste domingo (15), a possibilidade de um encontro entre o presidente Donald Trump e o líder iraniano Hassan Rowhani, mesmo depois de Washington acusar o Irã de estar por trás dos ataques com drones a petrolíferas da Arábia Saudita. 

Kellyanne Conway, conselheira da Casa Branca, afirmou que os ataques de sábado (14) "não ajudavam" a perspectiva de uma reunião entre os dois chefes de Estado durante a Assembleia Geral da ONU, neste mês, mas deixou a possibilidade em aberto.

"Vou deixar o presidente [Trump] anunciar um encontro ou não", disse Conway  à rede de televisão Fox News.

Apoiados pelo Irã e há cinco anos em confronto com a coalizão militar da Arábia Saudita, os rebeldes houthis xiitas do Iêmen assumiram a autoria dos ataques contra instalações da gigante estatal Aramco no sábado.

Primeiro exportador mundial de petróleo, a Arábia Saudita tenta restabelecer o nível normal de sua produção, duramente afetada.

petroleira solta fumaça
Fumaça em instalação da petrolífera Aramco na cidade de Abqaiq, na Arábia Saudita, após ataque com drone no sábado (14) - Reuters

No sábado, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, acusou o Irã de envolvimento com o episódio.

Segundo ele, não há qualquer prova de que "o ataque sem precedentes contra o fornecedor mundial de energia" tenha origem no Iêmen.

"Os Estados Unidos trabalharão com seus sócios e aliados para garantir o abastecimento dos mercados energéticos e para que o Irã preste contas de sua agressão", acrescentou.

Neste domingo (15), os governos de Irã e Iraque rejeitaram as acusações de que estariam envolvidos com o ataque.

"Em vez de culparem a si mesmos —e admitirem que sua presença na região está criando problemas—, os americanos culpam os países da região ou o povo do Iêmen", criticou o presidente iraniano, Hassan Rowhani.

"Acusações e comentários tão estéreis e cegos são incompreensíveis e insensatos", declarou o porta-voz do ministério iraniano das Relações Exteriores, Abbas Musavi.

Em nota transmitida à imprensa, o porta-voz disse que esses comentários têm o objetivo "de prejudicar a reputação de um país para criar um marco para futuras ações contra o Irã".

Já Amirali Hajizadeh, comandante do braço aeroespacial dos Guardiães da Revolução, a força de elite da República Islâmica, advertiu contra o risco de um conflito armado.

As tensões atuais, "com forças que estão frente a frente no terreno", podem deflagrar um conflito armado, disse Hajizadeh, segundo a agência Tasnim, ligada aos ultraconservadores iranianos.

"O Irã está preparado para uma guerra total", mas "nem nós nem os americanos querem a guerra", declarou Hajizadeh.

O príncipe herdeiro saudita, Mohamed bin Salman, cujo país é o grande rival regional do Irã, garantiu que Riad "quer e pode" responder a esta "agressão terrorista".

Para o especialista em Oriente Médio da S. Rajaratnam School, James Dorsey, represálias diretas são "muito pouco prováveis".

"Os sauditas não querem um conflito aberto com o Irã (...) Querem que outros lutem em seu lugar, mas os outros são reticentes", afirmou Dorsey.

Nervosismo nos mercados

A Bolsa da Arábia Saudita abriu o pregão da semana com queda de 3%, reagindo negativamente à queda na produção resultante do ataque. Nos primeiros minutos da sessão, o setor de energia recuou 4,7%, e os setores bancários e de telecomunicações perdiam 3% cada um.

A ofensiva de sábado (14) provocou incêndios na planta de Abqaiq, a maior no mundo dedicada ao tratamento do petróleo, e em Jurais. Os ataques não deixaram vítimas

Os rebeldes huthis já lançaram vários ataques à infraestrutura energética saudita.

Desta vez, porém, as consequências foram de outra envergadura. Causaram uma redução brutal da produção de 5,7 milhões de barris por dia, ou seja, o equivalente a 6% do abastecimento mundial.

Essa diminuição da produção pode abalar a confiança dos investidores na Aramco, gigante do petróleo que prepara sua entrada na Bolsa.

Com os mercados atentos à capacidade da Arábia Saudita para conter os efeitos do ataque, o presidente da Aramco, Amin Naser, declarou que estão sendo realizadas "obras" para restabelecer toda a produção.

Recentemente nomeado ministro da Energia, o príncipe Abdulaziz bin Salman garantiu que a redução será compensada com as reservas.

Riad construiu cinco gigantescas instalações de reservas subterrâneas em todo país para poder armazenar milhões de barris dos diferentes produtos petroleiros refinados.

Em conversa por telefone entre o presidente americano, Donald Trump, e o príncipe herdeiro, a Casa Branca condenou os ataques contra "infraestruturas vitais para a economia mundial".

O enviado da ONU para o Iêmen, Martin Griffiths, declarou-se "extremamente preocupado com os ataques", que logo foram condenados pelos Emirados Árabes Unidos, Barein, Kuwait, aliados de Riad, assim como pela Organização de Cooperação Islâmica (OCI).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.