Descrição de chapéu The New York Times

Biden ataca a imprensa para deter narrativa sobre a Ucrânia

Se a estratégia do pré-candidato democrata for correta, eleitores verão prova importante de força

The New York Times

Quando um repórter perguntou ao ex-vice-presidente Joe Biden, no sábado (21), se ele havia conversado com seu filho Hunter sobre seu trabalho na Ucrânia, Biden apontou o dedo para o repórter: "Faça as perguntas certas."

Algumas horas depois, quando a cobertura jornalística do telefonema de Donald Trump para o presidente da Ucrânia sobre Biden e seu filho ganhava força, o comitê de campanha do democrata enviou um email à imprensa para declarar —em negrito e sublinhado— que qualquer história seria "falaciosa" se não declarasse de antemão que as alegações de Trump eram infundadas.

No domingo, o comitê de Biden divulgou um pedido para arrecadar fundos no Twitter, com as seguintes perguntas: "A imprensa conseguirá ver o que está por trás da estratégia desprezível de Trump? Ou será enganada novamente?".

Joe Biden, que foi vice-presidente dos EUA duranteagestão de Barack Obama - Mike Blake - 25.set.2019/Reuters

Nos últimos três anos, todas campanhas, políticos e ativistas democratas operaram sob a sombra da derrota de Hillary Clinton em 2016, presos a um ciclo de autorrecriminação e autocrítica sobre como se defender de Trump e seus aliados republicanos em 2020.

Agora, Biden e sua equipe acham que têm as respostas. Entre as conclusões: não há mais barreiras de proteção. Ninguém mais vai te defender. Responder às acusações de Trump e seus aliados —e até mesmo negá-las— apenas os estimula. E atacar os árbitros da imprensa é obrigação.

Segundo assessores seniores de Biden, a campanha de Hillary não foi suficientemente forte para responder à longa sequência de histórias que envolvem o uso de um servidor privado de email e a fundação da família Clinton.

Em vez de litigar as especificidades em público, os assessores e aliados de Biden defendem que Hillary deveria ter se concentrado em desacreditar a imprensa por investigar alegações já desmascaradas, deixando que a mídia focasse o ataque a Trump e passasse sua própria mensagem aos eleitores.

Se a estratégia de Biden de combate ao presidente por meio da grande mídia for correta, os eleitores verão uma prova importante e em tempo real de sua força, pois as alegações de que Trump pressionou a Ucrânia a investigar o pré-candidato e seu filho levou os democratas a iniciar um processo de impeachment.

Os rivais de Biden também estão atentos: embora tenham respondido aos acontecimentos na Ucrânia com uma denúncia das ações de Trump, vários comitês tentam descobrir como lidariam com um ataque semelhante do presidente e de seus aliados.

Mas alguns oponentes estão preocupados com o fato de que esse momento possa promover a campanha de Biden caso ele o enfrente com destreza, colocando o ex-vice-presidente em pé de igualdade com Trump e dificultando o cenário a seus rivais.

Até o momento, não há evidências que sustentem a alegação de que Biden interveio indevidamente para ajudar os negócios de seu filho na Ucrânia. Mas isso não impediu a campanha de Trump de incitar as alegações, dando a Biden o apelido de "Quid Pro Joe" —em referência ao termo em latim quid pro quo, que significa troca de favores.

Durante um evento para arrecadar fundos em Baltimore na noite de terça (24), Biden reagiu: "Ele adora apelidos. Eu gostaria de dar a ele um novo --ex-presidente Trump."

Manter o foco em derrotar Trump é abordagem adotada por Biden desde as últimas semanas da campanha de 2016, quando pediu à equipe de Hillary que evitasse debater tópicos como a fita do programa de TV Access Hollywood, que continha conversa obscena entre Trump e George Bush.

"Eu disse: 'Respeitosamente recomendo que ela [Hillary] diga que todo mundo sabe quem é Donald Trump e o que ela pode fazer pelo país', e não entre na discussão, porque isso só atrapalha", disse Biden aos eleitores em New Hampshire no início deste mês.

As histórias sobre o email de Clinton alimentaram uma narrativa de corrupção já existente que os republicanos promoviam há décadas, desafio que Biden não enfrenta. Por décadas, ele foi classificado como um dos membros menos ricos do Senado.

As alegações contra Trump —de que ele usou o poder de seu cargo para influenciar um governo estrangeiro para ajudá-lo politicamente— também são bem mais sérias do que durante a corrida de 2016.

"Biden não precisa responder por nada", disse James Carville, estrategista democrata e consultor de longa data dos Clintons. "Há uma história aqui. O presidente dos Estados Unidos tentou convencer um governo estrangeiro a atacar um oponente político."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.