Antes de ir aos EUA, Bolsonaro quer tirar ex-chanceler de Dilma da ONU

Sabatina de Mauro Vieira em Brasília deve ocorrer enquanto presidente estiver em NY

Bruno Boghossian Marina Dias
Brasília e Washington

O governo Jair Bolsonaro quer tirar o diplomata Mauro Vieira do comando da missão do Brasil na ONU antes da viagem do presidente para a abertura da Assembleia-Geral do órgão.

Vieira foi ministro das Relações Exteriores no segundo mandato de Dilma Rousseff (PT), e sua presença durante a passagem de Bolsonaro por Nova York —prevista para 22 a 25 de setembro— é considerada incômoda por integrantes do Planalto.

os dois estão de perfil; dilma anda um pouco atrás de mauro
A então presidente do Brasil, Dilma Roussef (PT), e o diplomata Mauro Vieira, à época à frente do Itamaraty, durante cerimônia no Palácio do Planalto, em 2016 - Alan Marques - 2.fev.2016/Folhapress

No início do ano, o Itamaraty já havia decidido transferir o diplomata para a embaixada na Croácia, mas a indicação não fora oficializada. Com a proximidade da viagem, o governo acelerou o processo e articula o agendamento da sabatina de Vieira em Brasília nos dias em que o presidente estará em Nova York.

Bolsonaro fará o discurso de abertura da Assembleia-Geral da ONU no dia 24 —é tradição que o presidente do Brasil o faça—, e o Planalto não quer o ex-chanceler do governo petista ao lado da comitiva na agenda oficial. É comum que o chefe da missão brasileira acompanhe o presidente em compromissos com autoridades durante visita como essa.

A retirada do ex-chanceler de Dilma do cargo é interpretada por integrantes do corpo diplomático como mais um movimento agudo do atual ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, para marcar diferenças com as gestões petistas na política externa.

O encaminhamento ao Senado de Vieira para a embaixada na Croácia foi publicado no Diário Oficial na quarta (4), em meio a outras mensagens de menor relevância.

A sabatina deve ser marcada para a semana de 23 de setembro. Sua indicação precisa ser aprovada na Comissão de Relações Exteriores do Senado e pela maioria dos 81 parlamentares presentes na Casa.

Entre os diplomatas brasileiros nos EUA, a expectativa inicial era que o ex-chanceler pudesse tirar férias ou licença durante a passagem de Bolsonaro por Nova York. Mas a publicação do nome do diplomata no Diário Oficial sinalizou que o governo havia dado um passo concreto para acelerar o trâmite de sua nomeação.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), vem dando ritmo lento a processos de indicação de embaixadores, mas o Itamaraty fez articulações para que o caso de Vieira ganhasse celeridade.

A data da sabatina ainda precisa ser agendada pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Nelsinho Trad (PSD-MS). Caso ocorra na semana do dia 23, o diplomata deve viajar ao Brasil para responder os questionamentos dos senadores e, em seguida, voltar a Nova York após o retorno de Bolsonaro.

Dos EUA, Vieira vai esperar o resultado da votação em plenário e o desfecho de seu processo. O substituto do ex-chanceler na missão na ONU deve ser o diplomata Ronaldo Costa Filho. Seu nome foi enviado em abril para aprovação no Senado, mas as datas para sabatina e votação ainda não foram determinadas.

Costa Filho foi negociador-chefe do acordo comercial Mercosul-União Europeia. Não é considerado claramente vinculado a Bolsonaro, e sua chegada não deve causar mal-estar entre diplomatas que representam o Brasil na ONU.

O chefe da missão em Nova York trata de assuntos ligados principalmente a paz, segurança, desenvolvimento sustentável e direitos humanos.

Para a abertura da Assembleia-Geral, a expectativa é que Bolsonaro faça um discurso que se descole desses temas e reforce a marca ideológica de seu governo. O presidente deve usar parte da fala para ecoar a ideia de que a Amazônia é um território brasileiro e que nenhuma intervenção será tolerada.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.