Descrição de chapéu
Financial Times Brexit

Tentativa de novas eleições no Reino Unido pode ser genialidade estratégica ou loucura

Após derrotas no Parlamento e impasse sobre brexit, premiê quer convocar novo pleito

Robert Shrimsley
Londres | Financial Times

O lugar de Boris Johnson na história política estará em breve garantido, embora não necessariamente da maneira como ele gostaria.

Ao adotar uma abordagem de confronto desde o momento em que conquistou a liderança conservadora, Boris levou o país à beira de uma eleição que determinará se ele será o primeiro-ministro mais breve do Reino Unido ou o homem que rompeu o impasse parlamentar para entregar o brexit.

boris johnson sorri de braços cruzados
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, durante sessão parlamentar nesta quarta-feira (4) em que a convocação de novas eleições doi debatida - AFP

Os eleitores serão efetivamente forçados a escolher entre a linha dura do brexit ou a agenda radical de esquerda de Jeremy Corbyn. Será uma competição dolorosa para aqueles que se consideram de centro.

Boris tem pouca escolha a não ser tentar uma eleição. Ele perdeu a maioria e perdeu o controle do processo do brexit. É provável que a legislação que bloqueia uma saída da União Europeia sem acordo seja aprovada até o final da semana. Ele não pode aceitá-la.

O que poucos poderiam ter previsto é a escala de derramamento de sangue dos conservadores. A iniciativa de suspender o Parlamento levou os membros rebeldes do partido a agir mais cedo do que pretendiam, acelerando a crise, e o resultado é que os conservadores estão sendo desprezados por todos os que não estão dispostos a se inscrever na visão de mundo de Boris.

Isso enfraquecerá os ataques a Corbyn por expulsar seus próprios deputados moderados. Até os fiéis a Boris ficaram chocados com a escala do expurgo, e vários deles falaram abertamente sobre encontrar uma maneira de convencer o premiê a reconsiderar as expulsões dos 21 rebeldes que votaram a favor da legislação.

Muitos afirmam acreditar que Boris intencionalmente gerou uma eleição “povo versus Parlamento”. O mais provável é que ele esperasse evitar uma votação antes do brexit, embora reconhecesse que esta era sempre provável.

Mas essa estratégia é incrivelmente arriscada. Embora o partido lute contra a eleição com unidade, ainda parece dividido. Perdeu Ruth Davidson, sua líder popular na Escócia. 

Muitos dos 13 assentos que ela ajudou a ganhar em 2017 estão sob sério risco de ir para o Partido Nacional Escocês, que pressiona por um novo referendo sobre a independência.

No sul e no sudoeste, Boris enfrenta a perda de assentos conservadores nos enclaves dos que defendem ficar na UE.

Isso o deixaria precisando de 40 ou 50 assentos em outros lugares, principalmente nas cidades trabalhistas do norte que votaram pela saída no referendo em 2016.

Ele espera fazer a disputa toda sobre o brexit e que os liberais democratas dividam os votos restantes. Corbyn procurará se concentrar em outras questões, como austeridade e meio ambiente.

Boris também precisará esmagar o Partido do Brexit, de Nigel Farage, se insistir em ficar contra ele. O caminho para o sucesso é discernível, mas é uma aposta extraordinária. A vitória o deixaria imensamente empoderado e com cinco anos de perdão para superar as inevitáveis crises iniciais do brexit.

Mas ele também terá alterado drasticamente o Partido Conservador, descartando uma porção de liberais influentes do sul metropolitano e ganhando mais eleitores nacionalistas e da classe trabalhadora no norte —pessoas menos atraídas pelo antigo ideal de reduzir os gastos públicos.

Boris pode se considerar um conservador nacional, mas está supervisionando uma radical retomada da direita em seu partido. As consequências vão além do brexit. Os conservadores em breve terão mais do que um toque de Trump ao seu redor.

Dominic Cummings, principal assessor do premiê, acreditava há muito tempo que chegariam a isso, e muitas de suas ações foram projetadas para aguçar a divisão povo versus Parlamento. Teremos que aguardar o resultado de uma eleição para saber se isso foi uma genialidade estratégica ou uma loucura fanática.

Robert Shrimsley é diretor editorial do jornal Financial Times

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.