Consulado do Brasil em Zurique é atacado com tinta vermelha

Representações do país em Londres e Berlim também foram alvo de ações neste ano

São Paulo

O consulado do Brasil em Zurique, na Suíça, amanheceu manchado com tinta vermelha, arremessada contra a entrada, as janelas e as portas do local.

O ataque foi registrado na manhã desta segunda-feira (23) pelo deputado suíço Claudio Schmid.

Ele publicou, em uma rede social, mensagem na qual acusa "radicais de extrema esquerda" como responsáveis pelo ataque.

A polícia de Zurique confirmou a ação, que ocorreu durante o fim de semana, e disse que há investigações em andamento, segundo o site de notícias suíço 20 Minuten.

Nesta terça-feira (24), o presidente Jair Bolsonaro fará o discurso de abertura da Assembleia Geral da ONU, em Nova York. O presidente tem sido questionado internacionalmente pela forma como lida com a questão ambiental. 

Fachada do consulado brasileiro em Zurique, atacado com tinta vermelha
Fachada do consulado brasileiro em Zurique, atacado com tinta vermelha - Claudio Schmid/Reprodução/Twitter

Este foi ao menos o quarto ataque a postos diplomáticos do Brasil no exterior neste ano.

Em agosto, ativistas do clima do grupo Extinction Rebellion jogaram tinta vermelha na embaixada brasileira em Londres para protestar contra os danos à Amazônia e o que descreveram como "violência contra os povos indígenas que vivem lá".

A fachada da embaixada do Brasil em Berlim, na Alemanha, foi atacada duas vezes, em janeiro e em fevereiro. No primeiro ataque, os vidros foram pichados com a frase "Lutaremos contra o fascismo no Brasil". 

Na segunda ação, a fachada foi pintada com tinta rosa.

Um autor não identificado divulgou um texto reivindicando a autoria, no qual afirma que a ação foi um ato de solidariedade "à resistência feminista, transgênero e antifascista no Brasil", ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e para marcar a data em que "o fascista Jair Bolsonaro" completou um mês no poder.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.