Descrição de chapéu Brexit

França diz ser contra adiamento e amplia pressão sobre brexit

Parlamento britânico corre para debater propostas antes de suspensão pedida por Boris

São Paulo

Mais uma semana decisiva surge para o enredo do brexit nesta segunda-feira (9), quando diferentes questões do divórcio entre britânicos e europeus podem se definir. Ou não.

O clima de fim de temporada ocorre porque as atividades do Parlamento do Reino Unido serão suspensas, num gesto do primeiro-ministro Boris Johnson que ceifou cinco semanas de debates. 

A data exata não foi confirmada, mas a interrupção está definida para acontecer desta semana até 14 de outubro.

Assim, os parlamentares e o governo correm para aprovar propostas, inclusive Boris. 

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, discursa na Câmara dos Comuns, em Londres
O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, discursa na Câmara dos Comuns, em Londres - Roger Harris/Parlamento Britânico/Divulgação

Recapitulando: na semana passada, o premiê defendeu a realização de novas eleições, mas o tema foi rejeitado em votação no Parlamento.

Apesar da derrota, Boris disse que tentará votar de novo a questão nesta segunda (9).

Também nos últimos dias, o Parlamento aprovou uma lei que proíbe uma saída da União Europeia sem acordo. Se não houver acerto até 19 de outubro, o governo fica obrigado a pedir um adiamento de três meses.

Mas faltou combinar com os vizinhos. Para adicionar tensão à história, o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, afirmou neste domingo (8) que mais um atraso no brexit não será aceitável.

“Não vamos, a cada três meses, discutir um adiamento”, disse.

Isto aumenta as chances de um desfecho temido por muitos: o de uma saída sem acordo. Se ela ocorrer, há risco de inúmeros problemas, já que ninguém saberá ao certo como ficarão as regras na economia e na imigração. 

Projeções indicam que pode faltar comida e remédios. Fábricas que possuem produção dividida entre Reino Unido e UE podem ter suas operações travadas, por exemplo.

O risco de um final sombrio parece não assustar Boris. Ele disse preferir morrer a pedir um novo adiamento, e que acredita que ainda é possível chegar a um novo acordo.

Um acerto já foi firmado, ainda sob comando da protagonista anterior do brexit, a ex-primeira ministra Theresa May, mas foi rejeitado pelo Parlamento britânico. 

Mesmo com os reveses recentes, Boris segue aumentando a aposta. Ele perdeu a maioria no Parlamento —que era de um voto— e viu membros de seu partido criarem uma aliança rebelde com a oposição para combatê-lo.

Como resposta, o premiê expulsou 21 colegas de legenda.

Os problemas chegaram até a sua família: seu irmão Jo Johnson renunciou na quinta (5) ao mandato parlamentar. 

Neste sábado (7), outra baixa. A secretária de Trabalho e Previdência do Reino Unido, Amber Rudd, anunciou que deixaria o cargo por não concordar com a estratégia do primeiro-ministro para o brexit.

Nesta segunda, Boris tem marcada uma reunião com o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, para tratar de um dos capítulos mais sensíveis da saída: como ficará a fronteira entre as Irlandas. 

Com tantos enredos para resolver em pouco tempo, é grande a chance desta semana do brexit terminar com muitas pontas em aberto e deixar espectadores frustrados.


O que pode acontecer

Saída sem acordo 

O Parlamento aprovou uma lei que proíbe uma saída sem acordo. No entanto, o governo pode questioná-la na Justiça. Há também temores de que Boris simplesmente ignore a norma e force a retirada no prazo previsto, 31 de outubro

Adiamento do brexit 

A lei aprovada pelo Parlamento prevê adiamento do brexit em 90 dias se não houver acordo até 19 de outubro. No entanto, o atraso depende de aval da UE

Novas eleições

O governo tentará votar de novo a antecipação das eleições gerais nesta segunda-feira (9). Uma nova ida às urnas pode funcionar como um 2º referendo sobre o brexit

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.