Descrição de chapéu The Wall Street Journal

Inteligência dos EUA diz que ataque a refinarias na Arábia Saudita foi lançado pelo Irã

Autoridades sauditas, porém, ainda não tem certeza da origem da ação; Riad e Washington avaliam resposta

Dion Nissenbaum Summer Said
Beirute e Dubai | The Wall Street Journal

Autoridades americanas dizem que dados de inteligência do país indicam que o Irã foi o local de origem de um duro ataque à indústria de petróleo da Arábia Saudita

Essas informações já foram compartilhadas com a Arábia Saudita, enquanto os dois países avaliam ataques de retaliação, segundo pessoas familiarizadas com as discussões.

A avaliação, que os EUA ainda não compartilharam publicamente, ocorre quando o presidente Donald Trump levanta a perspectiva de os EUA e a Arábia Saudita unirem forças para lançar um ataque de retaliação contra o Irã. Tal movimento poderia rapidamente se expandir para um conflito regional.

Imagem de satélite mostra nuvem de fumaça após ataque de drone contra instalação petrolífera de Abqaiq, na Arábia Saudita, no sábado (14)
Imagem de satélite mostra nuvem de fumaça após ataque de drone contra instalação petrolífera de Abqaiq, na Arábia Saudita, no sábado (14) - Planet Labs/AFP

As autoridades sauditas disseram que ainda não chegaram à mesma conclusão de que o Irã foi a origem dos ataques, e indicaram que as informações compartilhadas pelos americanos não são definitivas.

A coalizão liderada pela Arábia Saudita que conduz a luta no Iêmen disse que as armas usadas para atingir o reino saudita eram iranianas, em sua primeira avaliação dos ataques no fim de semana.

O governo Trump disse ao governo iraquiano neste fim de semana que o Iraque não está acostumado a lançar o ataque de sábado (14), segundo autoridades dos EUA e do Iraque.

Os EUA já rejeitaram a afirmação de militantes houthis no Iêmen de que eles enviaram dez drones para atacar as instalações de petróleo sauditas, o que paralisou a indústria de petróleo do reino e fez os mercados de energia caírem vertiginosamente.

O presidente Trump alertou no domingo que os EUA estão "locked and loaded" ("com as armas preparadas")  para atacar quando os EUA e a Arábia Saudita identificarem quem foi o responsável.

"Há razões para acreditar que conhecemos o culpado, estamos com as armas preparadas dependendo da verificação", escreveu Trump no Twitter. "Mas esperamos notícias do Reino sobre quem eles acreditam que foi a causa desse ataque e sob que termos nós procederíamos!"

Trump se reuniu na segunda-feira (16) com sua equipe de segurança nacional para discutir os ataques e as crescentes tensões no Oriente Médio, segundo uma pessoa familiarizada com as reuniões.

Trump e sua equipe, que incluía o secretário de Defesa, Mark Esper, e o conselheiro interino de segurança nacional, Charles Kupperman, discutiram planos de contingência para responder aos ataques, disse essa pessoa.

Autoridades sauditas e americanas disseram que o ataque de sábado a dois locais na Arábia Saudita usou mísseis de cruzeiro que atingiram 19 alvos. A Arábia Saudita enfrenta dificuldades para reparar os danos.

O secretário de Estado, Mike Pompeo, está convocando líderes regionais para discutir a situação, e esperava-se que falasse na segunda-feira com o príncipe herdeiro Mohammed bin Zayed, dos Emirados Árabes Unidos.

Na segunda-feira, Trump tuitou um lembrete sobre o comportamento do Irã quando derrubou um drone dos EUA em junho, ataque que levou os EUA a prepararem um ataque militar contra o Irã. Trump o cancelou depois de pensar melhor.

"Lembrem-se de quando o Irã abateu um drone, dizendo conscientemente que estava no 'espaço aéreo' deles, quando, na verdade, não estava nem perto", disse ele. "Eles se apegaram fortemente a essa história, sabendo que era uma grande mentira. Agora eles dizem que não tiveram nada a ver com o ataque à Arábia Saudita. Vamos ver?"

A perspectiva de ação militar dos EUA provocou reações divergentes dos legisladores. O senador republican Lindsey Graham, da Carolina do Sul, pediu durante o fim de semana para os EUA colocarem "sobre a mesa" o ataque às refinarias de petróleo iranianas.

A reimposição de sanções duras pelo governo Trump reduziu as exportações de petróleo do Irã, diminuindo o valor de sua infraestrutura de petróleo como alvo potencial. Ainda assim, o setor de energia do Irã continua sendo crucial para a economia interna do país.

Outros alertaram contra ações militares. O senador republicano Mitt Romney, de Utah, opinou no Twitter na segunda-feira que qualquer "envolvimento direto das Forças Armadas dos EUA em reação aos ataques do Irã à infraestrutura de petróleo saudita seria um erro grave".

Romney disse que os EUA venderam armas para a Arábia Saudita para que o país possa se defender. Se a Arábia Saudita responder aos ataques, disse ele, "os EUA devem estar prontos para apoiar em um papel não cinético".

O senador democrata Tim Kaine, da Virgínia, foi mais direto: "Os EUA nunca deveriam entrar em guerra para proteger o petróleo saudita", tuitou no domingo. O senador democrata Chris Murphy, de Connecticut, disse na segunda-feira que o envolvimento iraniano nos ataques é inaceitável, mas criticou a estratégia de Trump para o Irã como "escalada unilateral cega".

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.